O evento reuniu representantes de todos os elos da cadeia de gás natural para discutir sobre a transição para o Novo Mercado de Gás

Durante esta terça-feira (28), a equipe da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) participou do seminário “Transição para o Novo Mercado de Gás – Tema para os Guias de Transição”, promovido pelo Ministério de Minas e Energia (MME). O encontro, que foi realizado presencialmente na sede do MME, em Brasília/DF, tem como objetivo coletar sugestões e subsídios para a elaboração de guias sobre a transição do mercado de gás natural. 

Os guias de transição serão necessários para orientar a atuação dos agentes da indústria de gás natural, durante esse período, oferecendo transparência e coordenação para os atores. A construção do material tem em vista o atendimento ao disposto no artigo 7º da Resolução nº 3/2022, do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que estabelece diretrizes estratégicas para o desenho do novo mercado de gás natural e a promoção da livre concorrência. 

Durante a abertura do seminário, o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, agradeceu a presença dos participantes e o esforço de todos os envolvidos para a transformação do setor. “Temos promovido uma grande transformação no Novo Mercado de Gás Natural. Também gostaria de agradecer à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a todas as instituições regulatórias necessárias para a reforma do setor de gás. É imprescindível a promoção de discussões que busquem o avanço do mercado de gás natural”, pontuou. 

Vários temas foram debatidos durante as palestras, entre eles: a resolução CNPE nº 3/2022 e a transição para o Novo Mercado de Gás; as experiências na abertura do mercado de gás natural; acesso de terceiros às infraestruturas de escoamento e processamento; e a evolução do sistema de transporte de gás natural.

O superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, acompanhou presencialmente o evento e deu sua contribuição. “O Seminário teve como objetivo entender o momento atual da abertura do mercado de gás, valorizar os avanços alcançados e projetar os próximos passos para a consolidação do processo de transição para o Novo Mercado de Gás. Sergipe como importante ator desse mercado, precisa estar atento a todos os movimentos de forma a manter sua posição de protagonismo”, disse.

O evento contou com a participação de representantes do segmento de gás natural, que puderam compartilhar suas experiências com a abertura do mercado e discutir sobre o futuro do sistema de transporte. Além disso, os participantes do seminário contribuíram com sugestões para os Guias de Transição, através de formulários online. Todo o seminário foi transmitido pelo youtube e pode ser visualizado no canal do Ministério de Minas e Energia.

Última atualização: 30 de junho de 2022, 10:23

Sempre pioneiro nas diretrizes e legislações que envolvem o segmento do Gás Natural, o Estado de Sergipe deu mais um passo importante enviando à Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), um ofício propondo a criação de uma tarifa de transporte de gás natural de curta distância (TCD), também conhecida internacionalmente como Short Haul

Em linhas gerais, o objetivo da Tarifa de Curta Distância é atrair e reter carregadores na malha de transporte, por meio de um cálculo tarifário que privilegie o fator locacional, a fim de mitigar o risco de fuga do sistema (by-pass) e/ou fomentar a adesão de novos carregadores que desempenhem papel relevante na transição para o novo mercado de gás natural. 

Tal modalidade tarifária estaria alinhada com as diretrizes estratégicas do setor, bem como com as práticas tarifárias que vêm sendo adotadas pela ANP, particularmente nas chamadas públicas de contratação da capacidade firme disponível do Gasoduto Bolívia-Brasil (GASBOL). A proposta parte do esforço regulatório de abertura do mercado de gás natural, a fim de endereçar as necessidades específicas de Sergipe, que poderão beneficiar os demais estados da Federação. 

De acordo com o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, em recente artigo publicado no site especializado EPBR, em parceria com o deputado federal Laércio Oliveira, “tal medida se insere num esforço regulatório mais amplo que Sergipe tem empreendido para modernizar o seu arcabouço regulatório e desenvolver um mercado consumidor diversificado, que poderá pavimentar uma retomada econômica focada na reindustrialização”. 

A proposta da Tarifa de Curta Distância é que seja exclusivamente destinada ao transporte de gás natural injetado na rede a partir de uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) ou terminal de gás natural liquefeito (GNL) localizados dentro de um estado e destinado ao consumo no próprio estado. 

“No caso concreto de Sergipe, tal medida regulatória contribuirá para consolidação do hub de gás natural e do polo de fertilizantes que serão fundamentais para o desenvolvimento do Estado. O hub de gás natural é composto pelo terminal de GNL das Centrais Elétricas de Sergipe (CELSE), com capacidade de armazenamento de 170 mil m3/dia de GNL e regaseificação de até 21 milhões de m3/dia. Se considerarmos que o consumo da termoelétrica Porto de Sergipe I de 1.551MW, quando despachada, é da ordem de 7 milhões de m3/dia, fica claro a enorme disponibilidade para suprimento de gás natural para outros usos a serem explorados e que dependerão do surgimento de um mercado consumidor. Tal incentivo também facilitará a monetização da produção nacional esperada do projeto Sergipe Águas Profundas (SEAP), da Petrobras”, reforça Marcelo Menezes e Laércio Oliveira no texto.

Confira aqui o artigo na íntegra.  

Última atualização: 27 de junho de 2022, 12:01

Empresas que já investem no estado apresentaram portfólio e novas oportunidades 

O último dia do Sergipe Oil & Gas ocorreu nesta quarta-feira (15) e foi marcado pela apresentação do portfólio das empresas que já investem no estado de Sergipe. O evento ocorreu no Hotel Delmar, em Aracaju, nos dias 14 e 15 de junho. Entre os temas abordados no segundo dia estavam Transporte e Distribuição de Gás; Cadeia de Refino e Tratamento de Óleo e Gás; Oferta de Gás em Sergipe; e os Impactos e Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas no Estado, com foco na qualificação e certificação. Além disso, a Empresa de Pesquisas Energética (EPE) apresentou o painel “Perspectivas e desafios para o desenvolvimento da demanda de gás da Região Nordeste”. 

Durante sua fala, o superintendente adjunto de Gás Natural e Biocombustíveis da EPE, Marcelo Alfradique, apontou que o mercado de gás natural brasileiro tem buscado negócios criativos e competitivos para o seu desenvolvimento. “Ontem foi colocado aqui vários projetos que têm saído do papel, buscando, de fato, essas diversidades e essa aceleração do mercado de trabalho do gás natural no Brasil. Hoje, o gás natural tem sido bastante comentado em termos de competitividade com o combustível, possibilitando novos projetos para essa substituição e a significativa redução de gases de efeito estufa, com a substituição do gás natural em frente a outros combustíveis fósseis”, disse.

Transporte e Distribuição De Gás 

Iniciando o ciclo de palestras, o diretor comercial e regulatório da Transportadora Associada de Gás (TAG), Ovídio Quintana, foi convidado a falar sobre o transporte e distribuição de gás, em painel com o tema ‘Portfólio de Serviços e Demandas para a Cadeia Produtiva do Estado’. Na sua fala, Ovídio destacou a assinatura do Contrato de Conexão de Acesso para interligação do Terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) da Celse à rede de transporte da TAG realizado na última segunda-feira (13). 

“Apresentei a história da TAG, o que nos trouxe até aqui, as experiências dos nossos acionistas, o momento de abertura do mercado e também é importante falar sobre o projeto que nós assinamos na segunda-feira (13), de conexão do terminal de GNL aqui em Sergipe. A malha integrada nacional foi motivo de muito orgulho”, comentou.

Integrando o mesmo painel, o diretor presidente da Sergipe Gás (Sergas), Valmor Barbosa,  evidenciou o encontro com as distribuidoras de gás do Nordeste, no início do mês de junho, em Sergipe e fez um panorama da empresa ao longo dos três anos que está à frente da Sergas. “Sou engenheiro civil por formação e nunca tinha atuado na área do Gás. Cheguei à Sergas e me apaixonei pela área que é extremamente dinâmica. Estamos investindo na interiorização do gás, otimizando nossa malha e nos preparando para o futuro que Sergipe está prestes a receber nos próximos anos”, comentou.

Assim como a TAG e a Sergas, a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Agrese) realizou uma palestra exibindo o Portfólio de Serviços e Demandas para Cadeia Produtiva do Estado. A diretora técnica da Agrese, Regina França, agradeceu o convite e falou sobre a importância dos aspectos técnicos que a agência trabalha. “Muito foi falado aqui hoje sobre aspectos regulatórios. A Agrese é a Agência Reguladora do Estado, então, praticamente todos os processos que vocês ouviram falar de ontem até hoje e ainda ouvirão falar ao longo do dia, foram construídos também no âmbito da Agrese. Isso é motivo de orgulho, pois vemos que o trabalho técnico resulta em boas práticas”, pontuou. Após o painel, o secretário executivo do Fórum Sergipano de Petróleo e Gás e CEO da Energy Platform, Márcio Félix, moderou o debate. 

Perspectivas de suprimento de gás para a Região Nordeste 

Dando continuidade a programação, o diretor presidente das Centrais Elétricas de Sergipe (Celse), Glauco Campos, foi convidado a apresentar as perspectivas de suprimento de gás para a região Nordeste a partir da conexão do Terminal de GNL da Celse à malha de transporte da TAG. 

“Eu sou absolutamente encantado com o projeto da Celse desde antes de chegar a sua direção, e depois de conhecer as minúcias, acredito que é um projeto encantador, diferenciado e único no país, quiçá, no mundo. Algumas vezes alguns amigos me perguntam, por que a Celse está em Sergipe? E não é um acaso, Sergipe é um estado absolutamente diferenciado no trato com o empreendedor que quer desenvolver negócios”, informou. 

Cadeia de refino e tratamento de óleo e gás 

A programação da manhã seguiu com o painel a cadeia de refino e tratamento de óleo e gás com a presença do diretor da Carmo Energy, Daniel Noleto. A empresa adquiriu recentemente 11 campos do Polo Carmópolis, e apresentou brevemente seu portfólio e um pouco de como a empresa pretende atuar no Estado. “O que posso dizer, com certeza, é que viemos para ficar”. 

O debate sobre o tema continuou com a participação do Fernando Xavier, sócio do escritório Machado & Meyer e moderação do secretário executivo da Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (ABPIP), Anabal Santos. 

Outro tema bastante aguardado que englobou a programação foi a apresentação da Noxis Energy, sobre a Refinaria que a empresa pretende instalar em Sergipe. O diretor de logística, Gabriel Debellian apresentou detalhes do projeto e ressaltou o apoio do Governo do Estado na iniciativa. “Temos certeza que iremos concretizar esse projeto, como conseguimos no Ceará e no Rio de Janeiro”, analisou.

Oferta de gás em Sergipe – Oportunidades e Investimentos 

Durante o período da tarde, o Sergipe Oil & Gas reforçou a apresentação de oportunidades de investimentos para o Estado. O diretor de relações institucionais e governamentais da ASPACER, Luiz Fernando Quilici, registrou um agradecimento aos organizadores e destacou o relacionamento de longa data com a equipe da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) na luta pela abertura do mercado de gás natural no Brasil. “Tenho muita alegria em participar de um evento com essas características para tratar de um assunto que é importante para todo o país, sobretudo no estado de Sergipe”, comentou. 

Englobando o mesmo tema, o diretor de relações governamentais e de novos negócios da Unigel Sergipe, Eduardo Barreto, ressaltou que Sergipe está vivendo um segundo momento de desenvolvimento. “Ainda criança, na década de 60, tive a oportunidade de acompanhar o crescimento do estado trazido pela Petrobras, inicialmente nos campos de terra, em Carmópolis, e logo depois, nos campos pioneiros de produção offshore. Tudo isso trouxe uma vertente desenvolvimentista para o estado, impactando toda a economia e que estamos revendo agora”, relatou. 

Finalizando o painel, sobre Oportunidades e Investimentos, o sócio do departamento tributário do escritório Machado & Meyer Advogados, Diogo Teixeira, abordou os tributos na área do petróleo e gás. “Elaboramos o Plano Tributário do Setor de Gás Natural em Sergipe, um trabalho muito rico que está disponível para a sociedade, e que tem um mapeamento completo dos benefícios fiscais, dos regimes de tributação e de demais detalhes que envolvem esta área. Demos uma pequena pincelada sobre o tema e nos colocamos à disposição para falar sobre as peculiaridades tributárias existentes em Sergipe”, apontou. Ao final das palestras, o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, moderou o debate entre os painelistas.

Fechando os trabalhos, o superintendente do Sebrae, Paulo do Eirado, apresentou as oportunidades para as micro e pequenas em todo este cenário, destacando as possibilidades de qualificação e certificação. 

Última atualização: 15 de junho de 2022, 16:43

Durante o período da tarde, o evento contou com apresentações das empresas Petrobras, Exxon Mobil, 

Dando continuidade aos trabalhos do Sergipe Oil & Gas, a equipe da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) foi convidada pelas consultorias BrainMarket e Eolus, para participar, na tarde desta terça-feira (14), do dispositivo sobre Novas Perspectivas para o Offshore: Oportunidades em exploração, produção, refino e logística. O painel contou com apresentações da Petrobras e ExxonMobil. 

Iniciando as apresentações, o gerente executivo de Terras e Águas Rasas da Petrobras, Paulo Marinho, apresentou o painel com o tema “Principais Players de Óleo e Gás e Investimentos em Sergipe”. “É um prazer estar aqui no dia de hoje, representando a Petrobras neste evento tão importante para Sergipe e onde vislumbramos o futuro, em especial, quando falamos de gás”, disse.

Durante sua apresentação, Paulo Marinho destacou os pilares de atuação da Petrobras, como os desinvestimentos, o descomissionamento e os investimentos com o programa Sergipe Águas Profundas (SEAP I e II). “Além do gás, Sergipe tem ainda muito petróleo. Toda sociedade e indústria estão se movendo para outros tipos de combustíveis e energia, mas o óleo e o gás continuam tendo um papel relevante e continuará tendo ao longo de muitos anos. Quanto mais esse produto tiver uma dupla resiliência, tanto econômica, quanto ambiental, mais valorizado ele será”, completou. 

Discorrendo ainda sobre o tema do mesmo painel, a representante da Exxon Mobil, Patrícia Burlini, agradeceu o convite dos organizadores do evento e realizou uma apresentação sobre exploração. “Minha apresentação é mais focada na exploração e os desafios que a pandemia também nos trouxe. É muito importante para uma campanha o engajamento da comunidade e a transparência do que o projeto vai trazer, além do entendimento de todas as partes interessadas, como os órgãos ambientais, das agências e empresa”, relatou. 

Convidado para ser o moderador do painel, o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, agradeceu a presença dos representantes das empresas e realizou perguntas a fim de sanar dúvidas. “Tive a oportunidade de participar deste painel, apresentando algumas questões, visando obter melhor detalhamento das informações já apresentadas. Mais uma vez coloco o estado à disposição para apoiar naquilo que for possível, o que já vem sendo feito, mas renovo a disposição do Governo de Sergipe em atuar junto a essas empresas para o desenvolvimento do offshore sergipano”, concluiu

Prestação de serviços

Além destas, outras apresentações sucederam-se durante a tarde. Representantes das empresas Halliburton e Schlumberger dissertaram sobre os Serviços Prestados na Cadeia de Exploração de Offshore, em painel com o tema: Apresentação de portfólio pelos principais Agentes da Cadeia de Exploração Offshore. 

Finalizando o dia de debates, as empresas GranICH e Ocyan realizaram uma apresentação sobre Prestação de Serviços, Bens e Materiais na Cadeia de Produção Offshore, com o tema: Apresentação portfólio de serviços e suas demandas para cadeia produtiva do Estado.

O Sergipe Oil & Gás seguirá com sua programação na quarta-feira (15), a partir das 9h. 

Última atualização: 14 de junho de 2022, 18:06

Projeto do Polo de Fertilizantes de Sergipe e Estudo sobre receitas de royalties e participações especiais provenientes do petróleo e gás estavam em pauta

A manhã desta segunda-feira (23), foi marcada por um encontro de diversas personalidades do segmento da cadeia produtiva de óleo, gás e fertilizantes, no evento Sergipe GasFertil, realizado no hotel Sesc Atalaia. A solenidade foi promovida pela Federação do Comércio, através do Instituto Fecomércio de Pesquisa e Desenvolvimento, e pelo Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec).

Na oportunidade, foram apresentados o projeto do Polo de Fertilizantes de Sergipe (PoloFerti), pela Mastersenso Consultoria, e também estudos desenvolvidos pela Machado & Meyer Advogados a respeito das receitas decorrentes da exploração e produção de petróleo e gás natural no estado, com ênfase nos aspectos jurídicos e tributários. Os trabalhos apresentados foram contratados pelo Instituto Fecomércio, com apoio técnico e financeiro da Mosaic Fertilizantes, Celse, Ebrasil, NewFortress Energia e Unigel. 

O secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, agradeceu a presença de todos no evento e destacou a importância do encontro para o desenvolvimento do setor para o estado, e agradeceu as cinco empresas parceiras que apoiaram a realização dos estudos. “Quero parabenizar a todos os envolvidos nestes projetos. Estamos preparando Sergipe para o futuro e é muito gratificante ver o empresariado e instituições vinculadas ao setor colaborando e promovendo este trabalho junto conosco”, afirmou.

O presidente do Sistema Fecomércio, deputado federal Laércio Oliveira, também deu as boas vindas aos presentes e reforçou que o mote principal de todo este trabalho é focar no desenvolvimento do Estado, gerar emprego, cuidar da saúde das pessoas, da assistência, e dar oportunidades para todos. “A contribuição da Federação do Comércio, preparando um documento e oferecendo ao estado de Sergipe, com estudos profundos e qualificados, para balizar as diretrizes que serão seguidas a partir daqui, é importante neste propósito. Afinal, o bem maior nós já temos, que é a riqueza do nosso solo e das nossas águas, e isso nos permite desenhar aquilo que nós pretendemos alcançar no futuro”, argumentou.

Iniciando as apresentações, o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, fez uma breve apresentação sobre os estudos que foram apresentados e ressaltou que o objetivo dos trabalhos é verificar e entender as necessidades da área, procurando contemplar, um contexto regulatório de medidas que possam aumentar a competitividade das indústrias no estado de Sergipe, e também criar um ambiente de negócios favorável para a atração de novos investimentos. “Este é um trabalho que segue, não pararemos por aqui, e com a parceria aqui consolidada, vamos ter uma maior relevância para a economia do estado”, ressaltou.

Estudos

O estudo do Polo de Fertilizantes, desenvolvido pela Consultoria  Mastersenso, delimitou parâmetros para o desenvolvimento do Polo de Fertilizantes de Sergipe, visando projetos industriais e comerciais do setor de fertilizantes, defensivos e aditivos afins. Os mecanismos estabelecidos no documento buscam viabilizar os trabalhos por meio de parcerias estratégicas e de integração do setor.

Durante a palestra sobre o Projeto do PoloFerti, foram apresentados estudos relacionados aos segmentos que mais trazem potencial para o desenvolvimento econômico. “A ideia do estudo é dar linhas às diretrizes para o futuro de expansão do que Sergipe já tem de bom. O estado já tem muita coisa boa, então é olhar todos os campos que podem ser expandidos com investimentos aqui na região”, disse um dos representantes da Mastersenso Consultoria, José Matias. 

“Quando você olha as cadeias industriais, é muito importante que ela esteja integrada por questões logísticas, mas também por questões de competitividade. Aqui em Sergipe, as jazidas minerais, combinado com a extração do gás agora, traz muito potencial. Mas para que haja agregação de valor, é preciso que essas interações aconteçam do ponto de vista industrial”, completou Auri César Marçom, também representante da Mastersenso Consultoria. 

Foi apresentado ainda o estudo sobre receitas decorrentes da produção de petróleo e gás natural, pelo consultor da Machado & Meyer Advogados, Diogo Teixeira.  O documento foi elaborado, exclusivamente, com base nas disposições legais e normativas, e nos precedentes jurisprudenciais vigentes e seu objetivo foi o mapeamento, sob a perspectiva jurídica, dos tributos incidentes e das participações governamentais (tais como royalties e participações especiais), relativas às principais atividades desenvolvidas pelo setor offshore de petróleo e gás natural em Sergipe, bem como no esclarecimento acerca dos critérios jurídicos relativos ao seu rateio entre a União, Estado e Municípios.

As atividades analisadas do ponto de vista jurídicos e tributários foram: Prestação de serviços em geral, relativos à exploração e produção de petróleo e gás offshore; Exploração e produção de petróleo e gás natural; Escoamento de gás natural; Transporte dutoviário de gás natural; Processamento de gás natural; Importação de GNL; Regaseificação de GNL; e Utilização de GNL para geração termelétrica. 

“Esses estudos contemplam as participações especiais, os royalties, e os tributos que podem decorrer e trazer riqueza ao Estado, em razão dessas atividades. A realização desse evento demonstra a importância da atividade do petróleo e gás aqui no estado que vai se desenvolver cada vez mais na bacia de Sergipe-Alagoas, e dá uma dimensão do quanto de riqueza que é gerado”, relatou Diogo.

O Deputado Laércio Oliveira no encerramento do evento destacou a importância de discutir já agora a destinação dos recursos dos royalties, sugerindo a criação de um Fundo Constitucional para assegurar a adequada aplicação de tais receitas, de forma a assegurar um ciclo duradouro de desenvolvimento de Sergipe.

Última atualização: 14 de junho de 2022, 17:03

Empresa está sendo negociada com a Eneva

Na última quinta-feira (31), a Eneva S.A. assinou o acordo de aquisição das Centrais Elétricas de Sergipe Participações S.A. (CELSEPAR), junto à empresa norte-americana New Fortress Energy (NFE) e Ebrasil Energia Ltda. (Ebrasil). Pelo acordo, a Eneva adquiriu os direitos de expansão da termelétrica e 100% da Centrais Elétricas Barra dos Coqueiros S.A. (Cebarra), pelo valor de R$ 6,1 bilhões.

A CELSEPAR tem como principal ativo operacional, a Usina Termelétrica do Porto de Sergipe I, e com a transação, a Eneva passará a deter os projetos de expansão referentes à UTE. Localizada no município da Barra dos Coqueiros, a usina a gás natural em ciclo combinado, possui uma capacidade instalada de 1.593MW, gerando uma receita fixa anual de R$ 1,9 bilhão.

A Secretaria do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia (Sedetec), avalia como positiva a negociação e acredita que poderá ser uma forma explorar as muitas oportunidades que o Complexo Termelétrico tem a oferecer. “A Eneva é uma grande empresa e a aquisição da Celse sem dúvida irá agregar muito. O Governo vê o processo com otimismo, afinal, poderão surgir novas plantas termelétricas no Complexo”, lembra o secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho.

Infraestrutura para hub de gás

A UTE Porto de Sergipe é abastecida através da Unidade Flutuante de Armazenamento e Regaseificação (FSRU), e está integralmente contratada até dezembro de 2044. Com essa aquisição, a Eneva terá acesso a gás importado e uma infraestrutura para expandir a comercialização no segmento do gás, consolidando a companhia como um dos maiores fornecedores privados de energia para o país.

De acordo com nota ao mercado, a Eneva afirma que “a aquisição garante à Eneva acesso à gás importado e infraestrutura com capacidade disponível que permite a gestão de flexibilidade de suprimento com confiabilidade, contribuindo adicionalmente para a expansão do segmento de comercialização de gás. Adicionalmente, a Eneva passará a deter projetos de expansão adjacentes à Usina, que poderão somar 3,2 GW de capacidade instalada, quando desenvolvidos”.

Vale frisar que a assinatura do contrato para construção do gasoduto, que conectará o Terminal de GNL da Celse à malha de transporte da Transportadora Associada de Gás (TAG), está marcada para o próximo dia 13 de junho, em Aracaju. “A assinatura deste contrato confere ainda mais possibilidades para a Celse, a partir da exploração do Terminal de GNL aqui instalado, e consequentemente, para a Eneva”, finaliza José Augusto.

Última atualização: 14 de junho de 2022, 17:03

A Eneva S.A. realizou na manhã desta quinta-feira (02) uma apresentação ao mercado após o anúncio da aquisição das Centrais Elétricas de Sergipe Participações S.A. (CELSEPAR). Na vídeo conferência a empresa reforçou que irá avançar na implantação do seu primeiro HUB de gás, já integrado à malha de gasodutos do país. 

Pelo acordo negociado, a Companhia adquiriu 100% da participação acionária da Usina do Porto de Sergipe, com o pagamento de R$ 6,1 bilhões e assumirá dívidas no montante de R$ 4,1 bilhões, perfazendo um total de R$ 10,2 bilhões. Com isso, a Eneva terá acesso a gás importado e a infraestrutura para expandir a comercialização no segmento do gás, consolidando a companhia como um dos maiores fornecedores privados de energia para o país. 

Confira no link abaixo a apresentação disponibilizada pela empresa;

https://sedetec.se.gov.br/wp-content/uploads/2022/06/Apresentac?a?o-Aquisic?a?o-Celse.pdf

Última atualização: 14 de junho de 2022, 17:02

Gestores da Sedetec participaram da posse e seguem com agenda na capital carioca

Nesta segunda-feira (06), gestores da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e da Tecnologia (Sedetec), participaram da cerimônia de posse dos Diretores da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), realizada no Rio de Janeiro. Foram empossados os diretores da ANP Claudio Jorge Martins de Souza, Daniel Maia Vieira, Fernando Moura e a sergipana Symone Araújo.

Durante a abertura do evento, o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, discursou, de forma remota, sobre a importância das agências reguladoras no Brasil. “É essencial que o agente regulador busque o diálogo e a interação com os agentes regulados, com o objetivo de identificar as necessidades da sociedade”, pontuou. 

O secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, e o superintendente executivo da pasta, Marcelo Menezes e a diretora da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Agrese), Regina Rosário, acompanharam a solenidade. Além deles, o deputado federal por Sergipe, Laércio Oliveira, também prestigiou a posse. “O trabalho da ANP é fundamental para o setor de Petróleo e Gás, e é muito importante mantermos uma relação de parceria entre ela e o Estado de Sergipe”, destacou José Augusto Carvalho.

“Temos mantido um laço estreito com a ANP que tem atendido as demandas do Estado. Não poderíamos deixar de prestigiar a posse da nova diretoria. A presença de uma sergipana entre os diretores reforça ainda mais nossa presença aqui”, informou, por sua vez,  Marcelo Menezes. 

Durante seu discurso, Symone Araújo reforçou que renova “os compromissos frente aos desafios em que passa o setor de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis com esse novo mandato que tenho a honra de iniciar”.  Em 2020, a sergipana também foi empossada como diretora da agência.

ANP

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) é um centro de referência em informações e dados sobre a indústria do petróleo e gás. Dentre as suas principais atribuições está a promoção de estudos sobre o potencial petrolífero, além do desenvolvimento do setor de gás e petróleo no Brasil.

Agenda

Além da posse da ANP, os gestores da Sedetec  participaram de reunião na presidência da Petrobras para tratar de diversos assuntos de interesse do Estado, especialmente o andamento do projeto Sergipe Águas Profundas, transferência da operação do Polo Carmópolis para a Carmo Energy e também para reforçar o pleito de manutenção dos equipamentos do laboratório existente no Tecarmo, importante para a área de pesquisa, desenvolvimento e inovação em Sergipe (PD&I).

Última atualização: 14 de junho de 2022, 17:02

Estima-se que partir de 2026, sejam produzidos 20 milhões m³ /dia de gás canalizados do mar, por meio do campo Sergipe Águas Profundas

No intuito de criar condições para estímulo do novo ciclo de petróleo, gás e fertilizantes, de forma a desenvolver a economia sergipana, por meio da atração de investimentos e criação de oportunidades, o governador Belivaldo Chagas assinou nesta segunda-feira (13), Protocolo de Intenções com a empresa Petrobras, representada pelo diretor-executivo de Refino e Gás Natural, Rodrigo Costa Lima e Silva, e pelo  gerente-geral de Gás e Energia, Álvaro Ferreira Tupiassú.

O documento é uma sinalização conjunta da empresa e do Governo de Sergipe acerca do suprimento de Gás Natural disponível para as indústrias que vierem a se instalar território sergipano, com o uso do combustível proveniente do campo Sergipe Águas Profundas.

Para o governador Belivaldo Chagas, a ação consolida Sergipe ainda mais como a nova Estrela do Gás do Brasil. “Está no planejamento da Petrobras que a partir de 2026, sejam produzidos 20 milhões m³ /dia de gás canalizados do mar, num gasoduto com cerca de 100 km de extensão nas águas, com mais 25 km em terra, prospectando a quase 2 mil metros de profundidade. Sergipe sozinho seria responsável, desta forma, por 20% da produção do Brasil. Tudo isso dá mais garantia ao setor industrial de que teremos estrutura de energia para a chegada de mais investimentos, em especial para termoelétricas, como a Celse, e empresas de fertilizantes, como a Unigel, assim como de outros nichos de mercado. Temos trabalhado desde o início da gestão para a criação deste ambiente favorável na prospecção de novos negócios que gerem desenvolvimento para o estado, emprego e renda para o nosso povo, e esta assinatura significa um novo marco para Sergipe neste mercado”, pontuou.

Segundo o diretor-executivo de Refino e Gás Natural, Rodrigo Costa Lima e Silva, o objetivo do protocolo é externar o propósito de prospecção e estruturação de oportunidades de negócios como fornecimento de gás natural para consumidores existentes e para novos consumidores, incentivando o desenvolvimento industrial com o uso do gás natural proveniente do campo Sergipe Águas Profundas. “Temos a convicção que é um primeiro passo, mas um passo muito importante para a Petrobras, para o estado de Sergipe e para o Novo Mercado de Gás do Brasil, e esse passo tem que ser dado agora, em paralelo às atividades de desenvolvimento dessa nova fronteira, que é o nosso SEAP”, declarou.  

O  diretor-executivo de Refino e Gás Natural da Petrobras acrescentou ainda que a solenidade representa um marco muito importante para a Petrobras, quase 60 anos após a descoberta do campo de Carmópolis, em 1963. “Hoje estamos celebrando mais uma conquista que contou mais uma vez com o pioneirismo da Petrobras, pois na fase exploratória de Sergipe Águas Profundas, nosso SEAP, atingimos o recorde nacional de profundidade d’água na perfuração de um poço, com 2.990m. Portanto, é o novo gás que está chegando trazendo junto novas oportunidades de implantação de indústrias, crescimento do mercado local, aumento da geração de emprego e renda para o Estado e para o Brasil”. 

Sergipe Águas Profundas

A oferta de gás da Petrobras, através do projeto Sergipe Águas Profundas, em suas duas etapas, e as perspectivas de êxito da campanha exploratória em curso pela Exxonmobil, trazem enormes oportunidades de novos negócios ao estado, representando um importante fator de atração para empreendimentos com consumo intensivo de gás, a exemplo de termoelétricas, indústrias de fertilizantes, vidros, cerâmica e petroquímica.

Para o secretário-executivo do Fórum Estadual de Petróleo e Gás, Márcio Felix, a exploração do gás coloca Sergipe em posição de destaque no cenário energético. “É realmente a confirmação de que, a cada dia mais, Sergipe se torna um ponto muito importante no gás para o país. Então, Sergipe vai ter gás vindo do mar, uma produção significativa chegando a 18 milhões m³ por dia e 20 milhões de m³ que vêm por gás natural liquefeito, assim esses 38 milhões de m³ por dia, que vão chegar aqui, colocam o Sergipe numa posição muito competitiva para atrair novas indústrias. Então, é um desenvolvimento que vem para ficar e gerar oportunidades que começam a ser planejadas agora”, destacou.   

O projeto Sergipe Águas Profundas contará com dois navios plataformas FPSO (floating, production, storage and offloading – navios com capacidade para processar e armazenar o petróleo, e prover a transferência do petróleo ou gás natural) e um gasoduto de escoamento com 128 km de extensão, sendo 100 km no mar e 28 km em terra. O gasoduto terá capacidade de escoar 18 milhões de m³ de gás natural por dia e somente o primeiro FPSO produzirá 120 mil barris de petróleo por dia.

Mercado energético

O programa Novo Mercado de Gás e o Novo Marco Legal do setor estão contribuindo para a criação de um mercado aberto, dinâmico e competitivo, capaz de promover o processo de reindustrialização do país, fator importante para o desenvolvimento econômico e social do Brasil, sendo fundamental o aumento de oferta e de ofertantes de gás natural, através de diversas modalidades de contrato, de forma a viabilizar investimentos em novas unidades industriais. O uso mais eficiente das infraestruturas existentes e a promoção da concorrência no mercado de gás natural também são fatores determinantes neste cenário.

“O que a Petrobras faz nesse momento é sinalizar que haverá o gás e que está disposta a firmar contratos de maneira a garantir o suprimento do novo empreendimento que vem aqui se instalar, a preço competitivo. Então, para a Petrobras que vai ter um volume muito grande de gás em Sergipe, é importante já buscar esses consumidores, já buscar desenvolver o mercado local de maneira que na hora que o gás estiver disponível, já haja consumo aqui dentro do próprio estado, como também na região Nordeste como um todo”, disse o superintendente da Sedetec, Marcelo Menezes.  

Paralelo a isso, o Estado de Sergipe tem buscado criar mecanismos para a melhora do ambiente de negócios e também assegurar segurança jurídica para os investidores. Neste sentido, tem sido promovida a modernização regulatória, buscando o alinhamento com o manual de boas práticas e harmonização da legislação estadual com a federal, assim como a elaboração de diagnóstico de gargalos tributários. 

“É um momento muito especial, desde o início de uma trajetória longa que nós enfrentamos, mas com as melhores perspectivas possíveis. É o primeiro passo para que a gente concretize tudo que aconteceu e construímos a partir da Lei do Gás, então novos tempos virão, próspero e com crescimento para o nosso estado”, ressaltou o deputado federal Laércio Oliveira, relator da Nova Lei do Gás. 

Além disso, foram criadas condições de maior competitividade para o gás natural no estado, através de decretos reduzindo o ICMS do gás natural para uso industrial e também veicular. Nesse mesmo propósito, o estado vem defendendo a necessidade de criação de uma tarifa de transporte de curta distância para ser usada para o gás produzido e consumido no mesmo estado. Tudo isso se soma aos incentivos fiscais previstos no programa sergipano de desenvolvimento industrial (PSDI), no conjunto de atrativos e oportunidades que o estado oferece.

“É um protocolo com uma importância muito grande para o estado. Serão beneficiadas a Sergas, a Unigel, as indústrias vidreiras e ceramistas, a Termelétrica, assim como outras empresas que necessitam desse insumo. Portanto, é um enorme marco do progresso e contamos com o apoio da Petrobras”, destacou o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia de Sergipe (Sedetec), José Augusto Carvalho.

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a pedido do estado, também está desenvolvendo um trabalho de mapeamento de potenciais consumidores. É necessário estimular o crescimento do mercado consumidor de gás natural para que possa existir um equilíbrio entre a oferta e a demanda, tendo em vista que a produção nacional deverá crescer bastante nos próximos anos.

Para o diretor-presidente da Sergas, Valmor Barbosa, o momento traz a perspectiva de maior competitividade no segmento do Gás e do Petróleo. “É a redenção no segmento, com essa necessidade que o país tem de cada vez mais importar fertilizante, no futuro próximo, com esse gás na nossa porta, a preço módico, isso será o maior atrativo, já que nós temos um polo de fertilizante já estabelecido aqui. E como o gás é importantíssimo para o setor de fertilizante, garante condições de indústrias aportarem aqui, não só de fertilizantes, como térmicas, vidreiras, ceramistas, com essa energia, gerada a partir do gás, sendo indutora do desenvolvimento do estado”, disse.  

Estiveram presentes ainda no ato os deputados estaduais Zezinho Sobral e Luciano Pimentel; diretor-presidente da TAG, Gustavo Labanca; CEO da Celse, Glauco Campos; diretor da Enerva, Damian Popolo; diretor da Unigel, Eduardo Barreto; diretor da Carmo Energy, Daniel Noleto; superintendente do BNB-SE, César Santana; o reitor da UFS, Valter Joviniano ;superintendente do Sebrae-SE, Paulo do Eirado; o secretário Geral de Governo, José Carlos Felizola; diretor- presidente da Adema, Gilvan Dias; diretor-presidente da Agrese, Luiz Hamilton e o diretor-presidente da Codise José Matos (Codise), dentre outras autoridades.    

Última atualização: 14 de junho de 2022, 17:02

Na manhã desta segunda-feira, dia 13 de junho, a Assembleia  Legislativa de Sergipe (Alese) concedeu o Título de Cidadania Sergipana ao carioca, Márcio Félix Carvalho Bezerra. A solenidade, que ocorreu no gabinete da presidência, contou com a participação dos parlamentares da Casa e do Distrito Federal. O deputado estadual Zezinho Sobral (PDT) é o autor da propositura. 

O homenageado, com vasta experiência na área de Petróleo e Gás, ex-secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, destacou que o título aumenta sua responsabilidade sobre o estado. “É uma honra muito grande receber da Assembleia Legislativa de Sergipe esse Título de Cidadão Sergipano, o que aumenta muito a minha responsabilidade. Certamente vou trabalhar cada vez mais para  desenvolvimento de Sergipe, promover melhorias, emprego e renda, notadamente nessas através do potencial energético do estado”, declarou. 

O autor da propositura, Zezinho Sobral frisa ainda que a data de hoje imprime gratidão e reconhecimento ao homenageado. Defendeu que o diploma é uma das mais importantes honrarias concedidas pelo Poder, por méritos e colaboração do homenageado, ao promover o desenvolvimento do Estado de Sergipe.

“Hoje, a Assembleia Legislativa de Sergipe tem a honra de conceder a Márcio Félix o Título de Cidadão Sergipano. Nosso estado o adota como filho legítimo, de fato e de direito, com todo carinho e respeito que lhe é merecido. Márcio Félix Carvalho Bezerra conhece bem as potencialidades do setor energético do Brasil e muito contribuiu para que Sergipe voltasse a percorrer os trilhos do crescimento no mercado do petróleo, gás e de energia”, enalteceu.

Sobral frisou ainda que Sergipe é grato ao homenageado por seus esforços. “Sergipe é grato a tudo que você representa para nosso estado. Seus novos conterrâneos sergipanos agradecem por todos os esforços no desenvolvimento do setor de petróleo, gás e fertilizantes, pelo incentivo para que a Fafen, que estava hibernada, renascesse junto com a esperança do nosso povo através da Unigel Agro, em Laranjeiras. Este feito representa um marco para nossa terra, para a consolidação do Polo de Fertilizantes de Sergipe, associada à oferta de gás offshore, capaz de viabilizar a atração de investimentos do setor, promover o fortalecimento da cadeia produtiva de fertilizantes, geração de emprego e renda (diretos e indiretos) e ações de responsabilidade social junto à comunidade”, pontuou Zezinho Sobral.

O deputado Federal, Laércio Oliveira parabenizou Sergipe pelo reconhecimento. “É um título de reconhecimento acima de tudo, pois quem o está recebendo tem raízes profundas, construídas em Sergipe, a partir do momento do petróleo e gás”. O deputado federal frisou que tudo o que aconteceu no mercado do país inteiro tem a digital de Márcio Félix.

“Ele tem uma história muito grande nesse setor, há mais de 40 anos. E, resolveu, a partir de 2019, enxergou o potencial energético do Estado de Sergipe. Eu tenho dito em várias entrevistas “Sergipe é a estrela do gás do Brasil”. Essa frase quem cunhou foi Márcio Félix. Então, viver esse momento da entrega do título, para uma pessoa que reconheceu o estado como estrela do gás do país, já basta para entender a importância desse título para uma pessoa tão importante para o estado, que a partir de hoje será nosso conterrâneo”, felicitou. O parlamentar foi o relator da nova Lei do Gás, sancionada em 2021.

Representando o presidente da Assembleia Legislativa na homenagem, o deputado Doutor Samuel Carvalho, parabenizou o colega parlamentar, Zezinho Sobral, por iniciativa de concessão do título.

” Agradeço ao presidente da Casa, Luciano Bispo, por tê-lo representado nessa solenidade, também, ao deputado Zezinho por conceder a propositura. Márcio Félix tem feito um trabalho muito fantástico para o desenvolvimento do nosso estado. É uma homenagem justa”, falou.

Fonte e fotos: Agência Alese de Notícias

Última atualização: 14 de junho de 2022, 17:01