Durante o encontro, além de apresentar, conhecer as equipes e estreitar os relacionamentos, vários assuntos foram abordados, inclusive sobre a produção da UTE Porto de Sergipe l, em atendimento à ordem de despacho do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)

Na manhã desta segunda-feira (5), o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia  de Sergipe, José Augusto Pereira de Carvalho, recebeu o novo presidente das Centrais Elétricas de Sergipe (Celse), Glauco Maximiano de Campos. Acompanhado do superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, e dos presidentes da Codise, José Matos, e do SergipeTec, Eduardo Prado Melo, o gestor pode dialogar com o novo diretor da empresa sobre os projetos e as perspectivas da Celse para o futuro. A reunião contou ainda com a presença da gerente regulatória da empresa, Cristiane Araújo.

Durante o encontro, além de apresentar, conhecer as equipes e estreitar os relacionamentos, vários assuntos foram abordados, inclusive sobre a produção da UTE Porto de Sergipe l, em atendimento à ordem de despacho do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Novos planos também foram discutidos, como a interiorização do Gás Natural Liquefeito (GNL), a conexão do terminal de GNL da Celse à malha de transporte, além de projetos de térmicas para os novos leilões.

De acordo com Marcelo Menezes, foi uma reunião produtiva e visionária para todos. “Colocamo-nos à disposição para novos contatos e para mantermos a parceria que o Estado e a Celse sempre tiveram no desenvolvimento da Termoelétrica Porto de Sergipe I, visando a implantação dos demais projetos em fase de estudo”, explicou.

Última atualização: 20 de julho de 2021, 15:38

Em um ano, a secretaria subiu de 4,6 para 9,7 no tocante a lisura na divulgação de seus dados

O registro de dados e informações da máquina pública tem sido tratado como prioridade na atual gestão do Governo do Estado de Sergipe. A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) consultou o resultado da última avaliação voltada aos Portais de Transparência dos órgãos estaduais e obteve a nota 9.7 no ranking elaborado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-SE).

Comparando as médias do ano anterior com a do ano vigente, a Sedetec atingiu um aumento de 5.6 em sua nota, deixando clara a responsabilidade do órgão ao fazer a divulgação de seus números através do seu próprio portal. Lá, estão esclarecidos os dados em relação à informação ao cidadão e pessoa jurídica, a lei de acesso à informação, legislação, planejamento, receita, despesa, recursos humanos, convênios e termos de anuência, licitações e contratos, relatórios, prestações de contas e as edições do Diário Oficial do Estado.

O coordenador da unidade setorial de controle interno da Sedetec, Carlos Santana, explica o trabalho de adequação às exigências da atual gestão. “Com a modificação do governo em 2019, fizemos um levantamento do exercício do ex-governador e atualizamos as determinações do TCE junto com a secretaria de transparência e controle. A Sedetec juntou esforços dos seus departamentos, diretorias e setores, principalmente o GTI que trabalha com a tecnologia de informação. Foram feitos levantamentos de todos os dados adequando as planilhas conforme tinham sido determinadas na resolução, para que então pudéssemos fornecer para a população o melhor serviço possível”, afirma.

Última atualização: 1 de novembro de 2019, 10:40

O governador Belivaldo Chagas assinou na tarde desta quinta-feira, 26, o Decreto com as novas normas do Regulamento dos Serviços Locais de Gás Canalizado do Estado de Sergipe, ao homologar as alterações aprovadas pelo Conselho Superior da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe (AGRESE). O evento ocorreu na sala de situação do Palácio de Despachos e contou com a participação da vice-governadora Eliane Aquino e , por meio de vídeo conferência, da diretora do Departamento de Gás Natural da Secretaria de Gás Natural e Biocombustível do Ministério de Minas e Energia, Simone Araújo, que é sergipana.  Também esteve presente à solenidade, o diretor da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), José Cesário Cecchi.  

O governador afirmou que o novo decreto é um marco na regulação do uso do gás em Sergipe, investindo-se de fundamental importância para a economia do estado. “A nova regulamentação vai flexibilizar e atrair a cadeia produtiva do gás, abrindo o mercado sergipano para novas empresas, tendo como consequência a geração de emprego e renda, por meio do aquecimento da economia”, revelou. 

“Esse é o momento de mostrar ao Brasil e ao mundo, que Sergipe está com a sua regulamentação pronta para poder receber os melhores e maiores investimentos da cadeia produtiva do gás do país e do mundo”, ressaltou Belivaldo Chagas. 

Ele disse que já está buscando atrair novos investidores e anunciou que vai visitar alguns países da Europa, já no mês de novembro, junto com os governadores do Nordeste. “Vamos mostrar as potencialidades nordestinas e, cada estado, de forma individual, vai mostrar o que tem de bom para atrair novos investimentos”, destacou. 

De acordo com Belivaldo Chagas, os empresários precisam ter garantias e segurança jurídica para investir. “Nós estamos com toda a regulamentação pronta, para que possamos receber os melhores e maiores investimentos da cadeia do gás, aqui em Sergipe. Com a flexibilização do regulamento, vamos, automaticamente, atrair investidores da cadeia do gás, não apenas para Sergipe, mas para o Nordeste e o Brasil. Esse é o momento do gás e Sergipe será a nova estrela do gás do Brasil”, afirmou.  

Falando por meio de vídeo conferência, a diretora do Departamento de Gás Natural da Secretaria de Gás Natural e Biocombustível do Ministério de Minas e Energia, Simone Araújo, parabenizou o governador Belivaldo Chagas pela iniciativa de definir novas normas de regulamentação do uso do gás no estado, flexibilizando e dando segurança jurídica aos investidores. “Parabéns pela vanguarda do regulamento, oferecendo tarifas específicas proporcionais para estruturas específicas”, acentuou a sergipana.

Simone Araújo disse que no mercado competitivo, é preciso ter um marco regulatório forte, altivo e independente, com responsabilidade de proteger o consumidor. “Sergipe está de nota dez por essa iniciativa”, comemorou a diretora do MME. 

O diretor da ANP, José Cesário Cecchi, parabenizou o Governo de Sergipe pela iniciativa, e afirmou que este é mais um ato de alinhamento que vem ocorrendo nos estado do Nordeste de aderência ao regulamento e à lógica do setor de gás natural. 

“O gás tem como natureza atrair investimentos, por ser uma energia mais limpa e matriz energética de transição. Vamos passar de uma matriz de alto carbono que é a atual, para uma matriz energética plenamente renovável, com menos carbono, e o gás é o energético de transição, ficando entre um e outro. Por si só, ele atrai investimentos do setor produtivo e tem um efeito multiplicador de suprir as suas demandas, como o próprio governador citou, atrair empresas de autopeças e parapetroleiras”, concluiu. 


Concurso

Na ocasião, o governador também autorizou a realização de concurso público para a AGRESE, com o propósito de fortalecer a Agência Reguladora do Gás. “Temos que ter técnicos preparados, mas que tenham segurança no trabalho e que se sintam protegidos. Não podemos oferecer uma agência que hoje ou amanhã esses técnicos tendem a sair, pelo fato de não contarem com a estabilidade. Vamos fazer um concurso, estruturar a agência, para dar essa tranquilidade aos investidores, mas paralelo a isso, os técnicos atuais continuam fazendo o seu trabalho com eficiência”, enfatizou. 


Decreto

Pelo novo decreto, o Consumidor Livre, com volume de consumo igual ou superior a 300.000 m3/mês de gás, sem restrição de consumo mínimo diário, tem a opção de adquirir o gás de qualquer agente Produtor, Importador ou Comercializador. 

Houve ainda a criação da definição de Redes de Distribuição Exclusivas, Dedicadas e Específicas. Neste caso, a AGRESE deverá estabelecer o valor da Tarifa de Movimentação Específica de Gás (TMOV-E), considerando apenas os custos de operação e manutenção destas instalações em observância aos princípios de razoabilidade, transparência, publicidade e as especificidades de cada instalação.

Já o Consumidor Livre que tiver interesse em contratar com o mercado cativo, deverá assinar, juntamente com o Concessionário, um contrato de fornecimento de gás, por, no mínimo, dois anos. Continua sendo exigido o registro do agente Comercializador na AGRESE em consonância com a Agência Nacional de Petróleo (ANP) como comercializador. 

Também foi criada a Tarifa de Movimentação Específica de Gás, definindo a estrutura de valores estabelecida R$/m3, que será devida pelos consumidores livres, autoprodutores ou autoimportadores de forma diferenciada com as redes de distribuição exclusivas, dedicadas e específicas. 

Essas redes de distribuição são o conjunto de instalações e dutos construídos pelo consumidor livre, autoprodutor ou autoimportador, para seu uso específico, não interligadas ao sistema de distribuição, que deverão ser incorporadas à concessão mediante declaração de utilidade pública e justa e prévia indenização.

O decreto assinado pelo governador estabeleceu, ainda, que a tarifa aplicada aos Consumidores Livres, aos Autoimportadores e aos Autoprodutores com redes de distribuição exclusivas, dedicadas e específicas, após celebração de contrato que atribua a sua operação e manutenção à concessionária, deverá ser estabelecida pela AGRESE com base em características e custos específicos. 

A concessionária poderá negociar com os consumidores e com redes de distribuição, sempre sob intermediação da AGRESE, para que as instalações e dutos sejam dimensionados de forma a viabilizar a conexão por terceiros.

Participaram do ato, o secretário-geral de Governo, José Carlos Felizola; o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Luiano Bispo; o deputado estadual Zezinho Sobral; o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Augusto Carvalho; o diretor presidente da Agrese, Luiz Hamilton Santana de Oliveira; o diretor presidente da Sergas, Valmor Barbosa; e empresários do setor de gás.

Última atualização: 1 de novembro de 2019, 10:39

O evento acontece em São Paulo nos dias 10 e 11 de Outubro

O  momento é de ascensão no ramo de negócios em Sergipe, ambiente favorável causado, principalmente, pela cadeia do Petróleo e Gás no Estado. Assim, o Governo do Estado, através da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) está participando de mais uma edição do Fórum de Investimentos Brasil 2019, que acontece entre os dias 10 e 11 deste mês, no WTC Events Center, em São Paulo/SP. O evento destaca as oportunidades de investimento em setores estratégicos da economia brasileira, como infraestrutura, energia, agronegócios, tecnologia e inovação.

Entre os dois dias de evento são esperados cerca de três mil participantes entre executivos de grandes empresas, formadores de opinião, representantes de alto escalão de governos estaduais, municipais e federais, investidores estrangeiros e empresários brasileiros. O Fórum foi aberto oficialmente pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, e pelo Presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Sr. Luis Alberto Moreno. O Fórum de Investimentos Brasil é uma realização do Governo Federal, por meio dos Ministérios de Relações Exteriores e da Economia, Apex Brasil e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O presidente Jair Bolsonaro proferiu o discurso na abertura apresentando aos investidores os rumos econômicos que o país deve trilhar nos próximos anos. “O Brasil é um país que tem o que quase nenhum outro país do mundo tem. Por isso, quero repartir isso com os empreendedores presentes neste evento: respeitamos os contratos, a retaguarda jurídica e a garantia dessa responsabilidade estão acima de tudo para nós”, observou.

Sergipe está representado no evento pelo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto de Carvalho, acompanhado de técnicos da pasta na área de investimentos. Assim como outros estados, Sergipe montou um estande onde estão sendo exibidos projetos e ações realizados nos últimos anos, bem como uma completa folheteria com Guia de Oportunidades do Estado, além de material audiovisual. “O estado tem investido de forma numerosa no setor de energia e por isso estamos apresentando os nossos ganhos no ramo do petróleo e gás natural, sempre em busca de atrair novos investidores”, ressaltou o gestor.

Ao longo dos dois dias de evento serão debatidos temas como: a Reforma do Setor de Energia; Brasil na Economia Global; Inovação em Negócios de Defesa; Potência Agrícola Sustentável; Produtividade no Centro da Agenda Econômica; Novo Ciclo de Investimentos em Infraestrutura no País; Democratização do Sistema Financeiro; Novo Ambiente de Negócios e Padrões Internacionais; Novas Fronteiras Tecnológicas e as Oportunidades no Brasil; Desestatização e Simplificação Tributária; e Financiamento de Investimentos Privados no Brasil.

Além de participar dos paineis, os representantes de Sergipe terão uma extensa agenda de atendimentos, com representantes de empresas e instituições do Brasil, China, Arábia Saudita, Argentina, Rússia, Itália, Espanha, entre outros, que já marcaram audiências no estande do estado. “A lista de audiências enviadas pela Apex este ano nos surpreendeu, e demonstra mais uma vez como Sergipe está sendo bem visto pelo Brasil a fora. Sem dúvida traremos bons resultados para Sergipe deste evento”, concluiu José Augusto Carvalho.

Última atualização: 1 de novembro de 2019, 10:38

A primeira parte do evento realizado pelo Sebrae, contou com a presença de especialistas do setor de energia e empreendedores 

“Sergipe entrou no mapa nacional e internacional da energia”. Com essas palavras e uma palestra otimista sobre o potencial energético em Sergipe foi aberta a primeira noite do 3º Fórum Energias, promovido pelo Sebrae. A frase é do engenheiro Márcio Félix, que é ex-secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia e atual presidente do Conselho de Administração da Pré-Sal Petróleo S/A.

Em sua palestra Félix exaltou as qualidades de Sergipe e atentou os presentes para todo o potencial de desenvolvimento que o estado terá nos próximos anos, principalmente com a cadeia do gás natural. “O que visualizo para Sergipe é um cenário extremamente promissor. O estado tem uma diversidade de fontes energéticas, com destaque para a solar e o gás.
Essa diversidade oferece todos os elementos para que o estado possa se desenvolver, afinal, são uma energias limpas, em abundância e com preços competitivos, que é um atrativo em qualquer lugar do mundo”, disse.

O objetivo do evento é dialogar com microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte que atuam ou pretendem exercer atividades na cadeia de energia. Além da abertura, realizada na noite da quarta-feira (25), o Fórum terá continuidade durante toda a quinta-feira (26), com  painéis de debates sobre as oportunidades de mercado e negócios na cadeia de energias para os pequenos negócios sergipanos.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, José Augusto Carvalho representou o governador Belivaldo Chagas no evento e falou sobre o tema. “Não existe progresso sem energia. Sergipe foi presenteado pela natureza com uma grande oferta de gás e o que nós, do Governo, pretendemos e estamos fazendo, é adequar o Estado e a legislação para atender a essa nova realidade, estimulando a competição e a livre iniciativa. Com isso, certamente, muitas oportunidades de negócios, para todos os ramos do mercado, surgirão em Sergipe”, frisou.

Durante sua palestra, Márcio Félix reforçou o trabalho que está sendo desenvolvido pelo Governo do Estado, em busca de atração de empresas e de oportunidades de desenvolvimento com as novas descobertas do gás. “Sergipe está atuando como um estado grande. O Governo tem trabalhado incansavelmente, entendendo o momento e se preparando, em termos da legislação de distribuição do gás e acolhendo novos investidores com a hospitalidade comum dos sergipanos. Vemos o secretário José Augusto o tempo todo viajando por todo o Brasil em busca disso. Sem dúvidas, Sergipe entrou no mapa nacional e internacional da energia”, completou.

O 3º Fórum Energias de Sergipe é uma realização do Sebrae em Sergipe, em parceria com o Governo do Estado, o Sistema Fecomércio SE e a Associação das Empresas da Cadeia Produtiva de Petróleo, Gás e Energias de Sergipe (PENSE), além do apoio da Rede Petrogas, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe (CREA/SE) e da Associação Brasileira de Engenheiros Eletricistas – Seção de Sergipe (ABEE-SE).

Última atualização: 22 de outubro de 2019, 11:35

A reunião é a continuidade das tratativas do Governo, no sentido de oferecer estrutura para a movimentação de cargas e viabilizar, o quanto antes, as adequações do terminal marítimo

A operacionalização de contêiner do tipo DTA no Terminal Marítimo Inácio Barbosa (TMIB), Porto de Sergipe, como base de importação e exportação no Estado foi discutida na manhã desta terça-feira, dia 10, em reunião entre a Secretaria de Estado da Fazenda (SEFAZ), a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (SEDETEC), a empresa VLI Logística, administradora do terminal marítimo, e a empresa Cencosud.  

A reunião é a continuidade das tratativas do Governo, no sentido de oferecer estrutura para a movimentação de cargas e viabilizar, o quanto antes, as adequações do terminal marítimo, para promover a integração das indústrias e empresas sergipanas com as empresas que realizarão operações com o Porto de Sergipe.   

O alinhamento das ações da VLI Logística, administradora do Terminal Marítimo Inácio Barbosa, com as demandas do Governo é essencial para a política de desenvolvimento do Estado, assegurando o fluxo de embarcações, o aumento das transações portuárias em Sergipe e os investimentos na expansão da estrutura do porto.

O secretário do Desenvolvimento Econômico, José Augusto Carvalho, explica que a Sedetec tem acompanhado de perto e cobrado adequações no Terminal Marítimo Inácio Barbosa para atender as novas demandas do Estado de Sergipe. Ele avalia que a reunião foi bastante positiva. “Foram dados novos encaminhamentos para todos os envolvidos e tenho certeza que, em um breve espaço de tempo, teremos equacionado a situação”, pontua.

O secretário de Estado da Fazenda, Marco Antonio Queiroz, que estava acompanhado pela superintendente de Gestão Tributária da Sefaz, comentou que há um esforço do governador Belivaldo Chagas em oferecer as melhores condições para utilização do terminal marítimo e fortalecer a competitividade do Estado frente a outras unidades da federação.

“Está sendo feito todo um estudo de viabilidade para implementação de uma política tributária que dê suporte à infraestrutura que o estado de Sergipe está oferecendo, não só para a atração de novas empresas e indústrias que utilizem o terminal, mas principalmente a viabilização de projetos paralelos que possam ser executados a partir da movimentação de cargas e da instalação dos empreendimentos que funcionarão no entorno do porto”, comenta.

Uma nova reunião será realizada nas próximas semanas para acompanhar a evolução das tratativas que estão sendo conduzidas pelo Governo, especialmente as questões de desembaraço e liberação de mercadorias em contêiner, bem como levantamento de demandas de empresas e de importação e exportação.

Última atualização: 24 de setembro de 2019, 09:15

Anúncios do Governo Federal e Estadual deram novas perspectivas para o estado e abriram inúmeras possibilidades de investimentos

O primeiro semestre de 2019 foi de boas notícias para a área do desenvolvimento econômico em Sergipe,  principalmente, no que diz respeito às questões relacionadas a matriz energética. Alguns anúncios do Governo Federal e Estadual deram novas perspectivas para o estado e abriram inúmeras possibilidades de investimentos que tendem a chegar.

Sergipe caminha para a ser nova estrela do gás natural do país e isso será concretizado nos próximos anos com o apoio do Governo Sergipe, que vem trabalhando para tornar o estado atrativo para grandes empresas, principalmente aquelas grandes consumidoras de gás.

Neste contexto os recentes anúncios de campos em águas profundas, em blocos explorados pela Petrobras e pela ExxonMobil, com a capacidade de produção de petróleo e gás confirmados, e previsão de início de produção comercial em 2023 darão um grande fôlego para a área. A estimativa de produção, só nos campos da Petrobras, é de 20 milhões de m3/dia. E em 5 anos, Sergipe terá uma enorme disponibilidade de gás para ser utilizado.

“Com a oferta de gás de grandes proporções, temos buscado condições para atrair empresas consumidoras para se instalarem em Sergipe e possam aproveitar a nova oferta do combustível, sem custos de transporte da rede nacional”, explica o secretário do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia,  José Augusto Carvalho.

Além de todo o gás disponibilizado em águas profundas, Sergipe conta ainda com o navio FSRU Golar Nanook, unidade flutuante de armazenamento e regaseificação, que está no estado através das Centrais Elétricas de Sergipe (Celse). O navio recebe gás natural em forma líquida e o transforma em gasoso, de maneira a entregar o combustível, através de gasoduto, às turbinas termelétricas. A Celse fretou o navio até 2044, ano em que vence seu contrato com as concessionárias de energia para entregar 1.500 MW de energia elétrica.

Com toda essa oferta, o Governo do Estado decretou recentemente, novas medidas para favorecer o cenário. A iniciativa integra um conjunto de ações direcionadas ao desenvolvimento econômico do estado, ligado ao setor do gás natural, especificamente quando o produto for destinado a indústrias integrantes do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), bem como para as indústrias que venham se instalar em Sergipe.

Em sua primeira medida, o governo oferece a redução na base de cálculo do ICMS nas operações da empresa produtora (Petrobras) para a Sergás, resultando em uma diminuição da carga tributária de 18% para 12%, além do diferimento do ICMS, com dispensa de pagamento sobre as operações da Sergás destinadas às indústrias do PSDI.

Além disso haverá a isenção nas operações da Petrobras para a Sergás com alguns tipos específicos de empresas, assim como concederá o diferimento com dispensa de pagamento nas operações da Sergás com essas indústrias.

O decreto prevê ainda redução na base de cálculo do ICMS nas operações da empresa produtora (Petrobras) para a Sergas, de 18% para 12% e a isenção das saídas desse produto da Sergás com destino a indústrias de fabricação de vidros planos, como também para qualquer segmento industrial. “Essas medidas estão em consonância com o Programa ‘Novo Mercado de Gás”, lançado recentemente pelo Governo Federal, o que demonstra o interesse de Sergipe em alavancar esta área da sua economia”, completa o secretário.

Como resultado da série de medidas adotadas pelo governo de Sergipe, há uma perspectiva de possível redução no preço final do metro cúbico do gás natural em uma margem entre 14% e 20%. “Anunciamos a redução do preço do gás com relação ao ICMS. Com isso, teremos um gás mais barato a partir da redução dessa alíquota. Vamos preparar o ambiente em termos de legislação e infraestrutura para redução do preço do gás”, afirma o Governador Belivaldo Chagas.

Ainda no decorrer do anúncio das medidas, o governador também assinou o encaminhamento à Assembleia Legislativa de Sergipe do Projeto de Lei que cria a Região Industrial Portuária com os municípios de Barra dos Coqueiros, Santo Amaro das Brotas, Maruim e Laranjeiras. O objetivo é facilitar a implantação de indústrias com foco no gás. “É uma região que queremos transformar em um grande polo industrial, afinal, ela fica próxima ao porto, à Termelétrica e tem grande potencial para o desenvolvimento de um projeto assim”, informa o governador.

Linhas de Transmissão

Além do gás, outros investimentos na área energética estão chegando a Sergipe. Entre eles está a construção de uma das mais robustas linhas de transmissão do país, da empresa indiana Sterlite Power, que venceu licitação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para se instalar no estado nos próximos anos. A linha de transmissão que terá prazo de operação de 25 anos, iniciará na Barra dos Coqueiros, nas imediações da Usina Termelétrica Porto de Sergipe I, e irá até a cidade de Olindina na Bahia.

A obra terá prazo de construção de cinco anos e em 2021 já deve gerar emprego e renda para a população da região.  A empresa trará ainda mais benefícios para o estado, pois, quanto mais linhas de transmissão existir, menor a probabilidade de falta de energia nos municípios sergipanos. “Sergipe possui várias linhas de transmissão espalhadas pelo estado. Com a instalação desta nova linha, se houver algum defeito em uma delas, dificilmente o estado será afetado. Além disso, a chegada da linha de transmissão contribui diretamente para a instalação de uma segunda termelétrica na região do Porto”, declara José Augusto Carvalho.

Energia limpa

Mas os investimentos não param por aí. Em breve, o Estado terá o segundo maior parque de produção de energia solar do mundo. A usina será instalada no município de Canindé de São Francisco e o projeto já foi apresentado ao Governador do Estado, Belivaldo Chagas. O local será o maior produtor de energia fotovoltaica do ocidente, ficando atrás apenas do Tengger Desert Solar Park, localizado na China.

A iniciativa é da empresa Energias do São Francisco (Enesf), consórcio formado por empresas e investidores que acreditam no potencial energético do estado. A licença ambiental prévia da área onde a usina será instalada já foi entregue na solenidade de apresentação ao Governador. “O projeto já está em andamento e será mais um grande passo para transformar Sergipe num referencial do Nordeste e do Brasil em geração de energia. Os empresários encontraram em Canindé o ambiente ideal para implementação do projeto”, frisa José Augusto.

Ainda em relação a este projeto, já foram arrendados 2.400 hectares, área que vai abrigar as placas para os 1.200 megawatts de capacidade instalada. A expectativa é que a instalação completa do Parque de Energia Solar aconteça o mais breve possível, principalmente pelo fato de que o leilão do governo federal, necessário para concretização do parque, acontecerá no mês de outubro. “Este leilão é fundamental, porque é a maneira, no Brasil, que se comercializa, no ambiente regulado, a energia gerada por esses tipos de projetos”, ressalta o diretor de novos negócios da empresa, Felipe Koefender.

De acordo com o empresário Joaquim Ferreira, o projeto tem andado numa velocidade surpreendente e a aceitação do mercado no projeto tem sido muito boa. “Isso mostra a aderência do projeto. Inclusive fechamos recentemente com um grande grupo financeiro que também participará”, argumenta. Ele completa ainda que a expectativa é a geração de muitos empregos na fase de implantação. “O projeto está dividido em quatro etapas de 400MW, mas nosso objetivo é que a primeira etapa entre em funcionamento em dezembro de 2021 com 600MW”, finaliza Joaquim Ferreira.

Última atualização: 11 de setembro de 2019, 11:08

Apoiado pelo Governo do Estado, o projeto visa disseminar a cultura do empreendedorismo em Sergipe

Lançado em junho deste ano, o programa Centelha teve suas inscrições encerradas na última sexta-feira, 30, com um elevado número de participantes e uma série de ideias inovadoras cadastradas. O Centelha busca capacitar empreendimentos ou processos inovadores para o desenvolvimento de bens ou serviços. Ao todo, o programa teve 837 participantes cadastrados no sistema, 284 ideias iniciadas e 579 projetos submetidos.

Os municípios com mais projetos apresentados foram: Aracaju (359 ideias), São Cristóvão (53), Nossa Senhora do Socorro (37), Nossa Senhora da Glória (26), Itabaiana (19) e Lagarto (16). “Finalizamos agora a fase de inscrições do programa Centelha com muito orgulho do resultado alcançado. Foram mais de 1.680 participantes envolvidos nas equipes, diversas temática abordadas em vários setores. Toda essa mobilização surtiu um efeito gratificante, porque foram idéias de 28 municípios do estado e jovens com grande potencial que só precisavam desse grande incentivo”, informa o diretor técnico da Fapitec, Ronaldo Guimarães.

Segundo ele os números colocam o estado de Sergipe em destaque nacional no Programa Centelha, “Quando a gente faz um comparativo de idéias a cada 100 mil habitantes, Sergipe dispara em relação a grandes estados que já investem massivamente na inovação, como Santa Cataria e Rio Grande do Sul”, comemora. “Nós temos certeza que dentro dessas 579 ideias que foram submetidas, às 23 que serão selecionadas ao final do processo, serão grandes empresas”, finaliza.

Algumas temáticas obtiveram mais projetos inscritos como: Tecnologia Social (32,8%), TI e Telecomunicações (16,9%), Mecânica e Mecatrônica (8,1%), Química e Novos Materiais (7,6%), Internet das Coisas (5,5%), Inteligência Artificial e Machine Learning (5,2%) e Automação (4,3%). Além destes, outros temas foram abordados pelos participantes como: Big Data, Biotecnologia e Genética, Blockchain, Design, Eletroeletrônica, Geoengenharia, Manufatura Avançada e Robótica, Nanotecnologia, Realidade Aumentada, Realidade Virtual e Segurança, Privacidade e Dados.

Parceiros

O edital do Programa Centelha é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa e a Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec). Mas para se tornar realidade em Sergipe, conta com uma série de parceiros que apoiam e dão suporte a realização do programa. São eles: Sedetec, SergipeTec, Universidade Federal de Sergipe (UFS), Universidade Tiradentes (UNIT), Instituto Evaldo Lodi (IEL), Instituto Federal de Sergipe (IFS), Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (Fanese), Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Sergipe (Fecomércio/SE), Instituto de Pesquisa em Tecnologia e Inovação (IPTI), JRabelo Gestão da Inovação, Grupo Rede+, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Acelerase, e a Secretaria de Estado da Educação, Esporte e Cultura (Seduc).


Última atualização: 5 de setembro de 2019, 09:53

Os secretários de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto Carvalho; do Meio Ambiente, Olivier Chagas, e da Agricultura, Rosilene Rodrigues, estiveram reunidos na última terça-feira, 08, na Sedetec, com representantes de órgãos públicos e instituições, a fim de discutir o Plano de Desenvolvimento da Carcinicultura para o Estado de Sergipe, elaborado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica (Fapitec), com apoio da UFS E IFS. Estiveram presentes o diretor-presidente da Fapitec, Heriberto Vieira, além de representantes da UFS, Embrapa, IFS, Sebrae, Codevasf, Adema, Emdagro e da Associação Sergipana de Criadores de Camarão de Sergipe.

“A idéia foi abrir o canal de diálogo entre a academia e as instituições, a fim de criar mecanismos para baixar os custos de produção e aumentar a produtividade do setor em Sergipe”, destacou Heriberto Vieira. Para ele é de extrema importância buscar apoio dos organismos, a fim de materializar o planejamento que visa tornar Sergipe altamente sustentável e produtivo em termos da Carcinicultura. “Essa é uma atividade altamente crescente no Estado e que só tem a despontar no cenário brasileiro graças à tecnologia”, disse ao ressaltar que para isso é necessário buscar o conhecimento científico para que este chegue  ao setor produtivo.

De acordo com os dados apresentados, Sergipe produz hoje cerca de 14 mil toneladas de pescado ao ano, gerando uma receita em torno de R$ 200 milhões anualmente. São seis estuários e inúmeras barragens em 163 km de costa, o que indica condições extremamente favoráveis para a aqüicultura no Estado. “Hoje vemos a carcinicultura como a atividade pecuária mais rentável do Estado e para que isso seja uma constante é preciso um entendimento entre o fomento e o meio ambiente, a fim de promover o desenvolvimento com sustentabilidade”, observou o engenheiro e professor do Departamento de Engenharia de Pesca da UFS, José Milton Barbosa. 

Para o secretário José Augusto Carvalho, da mesma forma que o Estado de Sergipe tem capacidade para atrair indústrias, oferecendo condições favoráveis aos novos empreendedores, também na carcinicultura devem ser aplicadas novas técnicas que a tornem mais produtiva e rentável. “Com a colaboração da Fapitec, na qualificação da mão de obra e a experiência de todos que já trabalham na área, poderemos observar uma chance real de vencer todas as etapas e tornar a atividade mais sofisticada e viável para todos”, afirmou.

Última atualização: 17 de dezembro de 2018, 11:24

Uma grande operadora de telecomunicações, que há mais de 20 anos atua no mercado brasileiro, a Transit Telecom, pretende instalar em Sergipe seu novo Data Center. Entendimentos nesse sentido foram realizados nesta quinta-feira, 26, durante a visita do diretor financeiro da empresa, Márcio Yassue, ao secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto Carvalho. A operadora 100% nacional conecta o Brasil ao mundo, oferecendo soluções de voz e dados para os mercados corporativo, governamental e residencial com rede própria e de grande capilaridade.

Presente nas principais capitais do país e também com uma filial em Miami, a Transit Telecom espera ainda esse ano se instalar no Parque Tecnológico de Sergipe (SergipeTec) onde pretende montar um Data Center para atender empresas privadas e o setor público sergipano. “Estamos muito interessados nessa parceria público-privada e  em encarar esse desafio de desenvolvimento na área como uma grande oportunidade de negócio”, destacou Yassue ao observar que a receptividade tem sido muito boa. “Esse primeiro contato com o secretário José Augusto foi muito positivo, houve uma interação muito boa e uma troca de idéias importante”, reforçou o diretor da empresa que estave na Sedetec acompanhado de um amigo, também empresário, Marcos Morais.

 

Última atualização: 17 de dezembro de 2018, 11:23