Infraestrutura e suprimentos para atração de investidores são destaque na programação do Sergipe Oil & Gas

Temas relacionados ao gás natural foram destaque durante mais uma etapa do evento

Nesta quinta-feira, 17, aconteceu o segundo e último dia do Sergipe Oil & Gas 2023, no Vidam Hotel, em Aracaju. Com uma extensa programação, o turno da manhã contou com palestras ligadas à múltipla oferta que o estado disponibilizará no setor de petróleo e gás e à infraestrutura local para transporte e distribuição do gás. A 2ª edição do evento é promovida pelas empresas BrainMarket Inteligência de Mercado e Eolus, com correalização do Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas de Sergipe (Sebrae) e apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec).

Abrindo os painéis da manhã, os ‘Desafios e Oportunidades para as Micro e Pequenas’ foram explanados pelo consultor do Sebrae Sergipe, Antônio Batista. “Sergipe é o estado da integração energética, porque aqui você encontra perfeitamente todas as fontes convivendo e investindo, ampliando os investimentos. Aqui tem biocombustíveis, petróleo, tanto onshore (em terra) quanto offshore (no mar). É um estado muito privilegiado do ponto de vista da área energética. Isso tudo é oportunidade de negócio. Muitos investimentos nessa indústria passam por Sergipe e, para ficar mais preparados, os empreendedores podem procurar o Sebrae”, destacou Antônio Batista.

A ‘Abertura do Mercado de Gás’ foi o tema debatido na sequência, com a palestra do gerente executivo de gás natural do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Tiago Santovito. “Existem oportunidades para todos. O IBP é uma instituição que tem 65 anos trabalhando no desenvolvimento do setor de óleo e gás, com foco em fazer esse setor ser cada vez mais competitivo e sustentável. Nosso objetivo é fazer com que o Brasil seja referência para o mundo na exploração de óleo e gás”, pontuou.

Segundo o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, Valmor Barbosa, o evento foi fundamental para enriquecer o debate acerca do segmento no estado. “Tivemos temas muito relevantes e diversificados em mais uma manhã de Sergipe Oil & Gas, temas esses que, sem dúvida, agregaram bastante a todos que participaram do evento. Sergipe se posiciona cada vez mais como uma grande potência nessa área, e todos os presentes têm acompanhado isso”, frisou o gestor.

Distribuição do gás

Com a grande oferta de gás, também é necessário ter a infraestrutura para o transporte e distribuição. Para falar sobre a ‘Conexão do terminal GNL e perspectivas de novos negócios para interiorização do Gás no Estado’, o representante da Transportadora Associada de Gás (TAG), Ovídio Quintana, ressaltou a construção do gasoduto de interligação do Terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) da Eneva à malha da TAG. O painel contou com a mediação do empresário Hiro Hayasi e com a participação do diretor técnico comercial da Sergas, Álvaro Moraes. 

“Buscamos levar volume para a distribuição e, para isso, precisamos ser competitivos e conhecer o mercado. Sergipe terá oferta onshore e offshore, e temos como missão deixar um volume aqui em Sergipe para desenvolver o estado. Hoje, temos uma abertura do mercado de produção de petróleo e gás, para além da Petrobras. Acreditamos que esse maior número de ofertas trará liquidez para o mercado. Estudos estão sendo realizados para analisar a viabilidade de uma interiorização do gás cada vez maior”, afirmou o diretor Álvaro Moraes.

Suprimento de gás

O suprimento de gás será ofertado por empresas como a Eneva, com a perspectiva de atrair indústrias que são consumidoras intensivas de gás natural, como destacou o gerente geral da empresa, Glauco Campos, durante o último painel da manhã. “Sergipe apoia o desenvolvimento e possui um ambiente muito acolhedor para novos investimentos, tendo o Estado como parceiro. Somos o maior produtor onshore de gás natural do país, temos a segunda maior capacidade de geração termelétrica e a quinta maior capacidade de geração de energia do país. Com a conexão do Terminal GNL à rede nacional de transporte e gás, possibilitaremos novos modelos de negócio com garantia de suprimento. A nossa operação no Terminal GNL irá contribuir para transformar Sergipe num Hub de Gás Natural”, detalhou.

Algumas indústrias que são consumidoras intensivas de gás natural são a petroquímica, de fertilizantes, de cerâmica, de vidros, entre outras. Sobre o tema ‘Oportunidades para instalação de novas empresas no estado’, participaram do painel o secretário executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, o consultor Manoel Carnaúba e o diretor de Relações Institucionais e Governamentais da Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento (Aspacer), Luiz Fernando Quilici.

“No ano passado, muita coisa estava em perspectiva e, neste ano, muitos pontos já viraram realidade. Os agentes percebem que o cenário que se desenhava vem se confirmando, consolidando o papel que Sergipe exercerá: ser um Hub de Gás na região Nordeste. Quero agradecer aos organizadores que proporcionaram esse belo evento, aos patrocinadores e aos participantes. O evento vem crescendo e ganhando nova dimensão, colocando Sergipe como uma agenda permanente para o setor de óleo e gás”, concluiu o secretário executivo Marcelo Menezes.

Última atualização: 21 de agosto de 2023 12:49.

Pular para o conteúdo