IPTI encerra ciclo de formação da tecnologia social Synapse com professores da rede pública

Synapse utiliza princípios da neurociência focados no ciclo da alfabetização. Projeto contou com apoio do Governo de Sergipe

No último sábado (18), o Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI) encerrou mais um ciclo formativo da tecnologia social Synapse, envolvendo agentes de 10 municípios sergipanos. O evento, denominado Seminário Final Synapse 2021, contou com a presença de centenas de professores que participaram da formação ao longo do ano, além de convidados. A programação, que contou com apresentações de recursos pedagógicos e palestras, selou a capacitação dos profissionais, que se tornaram aptos a aplicar os princípios da metodologia em sala de aula.

Os materiais apresentados foram desenvolvidos durante os momentos formativos, e as palestras abordaram competências socioemocionais e a importância do trabalho em rede para impactar a educação pública. Atualmente, o Synapse se consolida como uma tecnologia social que evidencia a importância da Ciência, Tecnologia e Inovação enquanto aliadas para a obtenção de uma solução eficaz e sustentável para o ecossistema público escolar.

Com uma metodologia embasada na neurociência, associando esse conhecimento às práticas e experiências de professoras da rede municipal de Santa Luzia do Itanhy, o Synapse foi desenvolvido pelo IPTI em 2010. “Com o objetivo de melhorar a qualidade da alfabetização em escolas da rede pública, o Synapse foca no ensino e aprendizado de língua portuguesa e matemática no ciclo da alfabetização, e, a partir dos princípios neurocientíficos, reforça que respeitar como o cérebro da criança se organiza e aprende tende a tornar as práticas pedagógicas mais eficientes”, afirma o responsável de relacionamento institucional do IPTI, Saulo Barretto.

A finalidade do Synapse se consolida em quatro eixos norteadores interdependentes e simultâneos: didático, de contextualização, afetivo e lúdico/motivacional. Hoje, o Synapse está presente em 27 municípios de 4 estados brasileiros, e é uma metodologia em constante evolução e expansão. Além de Sergipe, municípios do Ceará, Maranhão e Minas Gerais também utilizam a tecnologia.

“O grande diferencial da tecnologia Synapse é que ela foi construída por e para professores de escolas públicas, com base nas dificuldades compartilhadas por esse grupo de profissionais. Essa construção participativa visa, principalmente, desenvolver autoestima e protagonismo nas professoras, ressaltando o potencial existente nos seus conhecimentos e experiências”, salienta Saulo Barretto.

A tecnologia Synapse inclui a utilização de recursos educacionais especialmente elaborados e continuamente aperfeiçoados: o Caderno Pedagógico, o Plano de Aula Synapse e o Curso de Formação Synapse. A articulação resultou na formação de uma rede de professores (www.rps.ong.br) que utilizam a tecnologia, assegurando sua autonomia e continuidade.

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) é parceira do IPTI e entusiasta do Synapse, como destaca o titular da pasta, José Augusto Carvalho. “O Synapse sintetiza a aposta do IPTI na Ciência, na Tecnologia e na Inovação como ferramentas de transformação social. É um trabalho que demonstra a sintonia do IPTI com a Sedetec e com o Governo de Sergipe”, pontua o secretário da Sedetec.

Última atualização: 21 de dezembro de 2021 16:21.

Pular para o conteúdo