O pós-sal, do qual a Bacia Sergipe-Alagoas faz parte, conta com 24% desses investimentos

Durante esta quinta-feira (01), a Petrobras apresentou ao mercado seu Plano Estratégico para 2023-2027. O evento on-line conhecido como “Petrobras Day”, foi dividido em dois webcasts, o primeiro em português e o segundo em inglês, com apresentações de diversos diretores da petroleira brasileira, sobre todos os campos de investimentos da estatal. A situação dos projetos desenvolvidos pela Petrobras em Sergipe foi destaque nas apresentações.

Na oportunidade, os gestores da empresa apresentaram levantamentos dos segmentos que atuam na companhia, dentre eles, o diretor de Exploração e Produção, Fernando Borges, que destacou os investimentos da área,  que seguem com foco no pré-sal e dupla resiliência para a sustentabilidade dos projetos. Segundo ele, o pós-sal, do qual a Bacia Sergipe-Alagoas faz parte, conta com 24% desses investimentos, fração bastante relevante. 

“É fundamental que a Petrobras siga buscando novas reservas, uma vez que nós estamos em um processo de exploração e produção. A gente luta a cada ano com um declínio natural na ordem de 10% da nossa produção e, quando a gente está em patamares mais elevados de produção de ordem equivalente na casa dos três milhões de barris de óleo por dia, significa que a cada ano temos que incorporar 300 mil/dia para fazer frente ao declínio”, pontuou Fernando. 

Já o diretor executivo de Refino e Gás Natural, Rodrigo Costa Lima e Silva, destacou os projetos Sergipe Águas Profundas (SEAP) e o BM-C-33. Segundo ele, esses projetos irão totalizar uma aplicação de cerca de 5 bilhões de dólares. “Esses números estão alocados no segmento de E&P e, com isso, a gente tem aqui um aumento significativo da nossa oferta no nosso portfólio Petrobras de cerca de 50 milhões de m³/dia de gás natural”, comentou o diretor em sua apresentação. 

O diretor executivo de Desenvolvimento da Produção, João Henrique Rittershaussen, por sua vez, sinalizou que os próximos cinco anos serão desafiadores e destacou o cronograma de manutenção da entrada das Unidades Flutuantes de Armazenamento e Transferência (FPSOs) em operação, dentre elas, do projeto SEAP. “O primeiro óleo foi postergado para 2027, pois é uma unidade que ainda não está com uma decisão de investimento feita e a gente ainda não concluiu a licitação de contratação”, disse. 

O superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes considerou a apresentação do Plano Quinquenal bastante positiva, na medida em que confirma a importância estratégica do Projeto Sergipe Águas Profundas no portfólio de investimentos da Petrobras e a entrada em operação dos 2 FPSO’s dentro do período, reforçando a estratégia do Governo de atrair consumidores para o volume de 18 milhões de m3/dia de gás natural que serão escoados para Sergipe. 

Confira aqui a apresentação na íntegra.

Última atualização: 2 de dezembro de 2022, 08:56

O secretário do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia, José Augusto Carvalho, e o superintendente da pasta, Marcelo Menezes, participaram na manhã desta quinta-feira (01), de reunião na sede da Eneva, no Rio de Janeiro, com a presença de representantes de diversas empresas que têm participação na economia de Sergipe.

Entre os presentes estavam membros da VLI (empresa que administra o Terminal Marítimo Inácio Barbosa – TMIB), da Carmo Energy (que está prestes a assumir o Polo Carmópolis, após arrendamento à Petrobras), Noxis Energy (que pretende instalar uma Refinaria no estado), além da empresa Engetec e da equipe da Eneva, liderada pelo diretor Marcelo Cruz Lopes.

A reunião teve como pauta, a busca de sinergias para o desenvolvimento de um projeto de ampliação do Porto de Sergipe, tendo como foco principal o atendimento das necessidades do projeto da refinaria da Noxis.

O secretário José Augusto Carvalho informou que é necessário “ juntar interesses dos diversos agentes, no propósito de viabilizar investimentos para ampliação e melhoria das condições operacionais do Porto de Sergipe”.

O assunto terá desdobramentos a partir de entendimentos bilaterais, visando a busca de interesses comuns, especialmente operações de GNL em pequena escala da Eneva e possibilidade de fornecimento de petróleo produzido pela Carmo Energy para ser processado na unidade em projeto da Noxis.

O superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, afirmou que está otimista “com as perspectivas de virmos a ter a implantação do projeto da NOXIS que por sua vez possibilitará o desenvolvimento de inúmeros outros empreendimentos na área petroquímica em Sergipe.”

Última atualização: 1 de dezembro de 2022, 12:32

Secretário e superintendente executivo da Sedetec, além do senador eleito, Láercio Oliveira, acompanharam o evento

Representantes da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia (Sedetec), participaram nesta quarta-feira (30), no Rio de Janeiro, do X Seminário de Matriz e Segurança Energética, evento promovido pela Fundação Getúlio Vargas ( FGV Energia). O deputado federal e senador eleito por Sergipe, Láercio Oliveira, também participou do Seminário, sendo um dos painelistas da manhã. 

Entre os temas que abordados pela FGV energia no evento destacam-se: Petróleo e Gás – Transição Energética; Cenário Dowstream; Abertura do Mercado de Energia Elétrica; Integração Gás e Energia e Cenário Eólica Offsh. Para o secretário José Augusto Carvalho, a participação de Sergipe é fundamental em eventos deste porte. “Estamos inseridos como um dos estados que mais podem contribuir quando o assunto é petróleo, gás e energia. Por isso fizemos questão de estar presentes”, destaca.

Sergipe em destaque

O senador eleito por Sergipe, Laércio Oliveira, também participou do evento e foi um dos painelistas da manhã. No painel sobre Petróleo, Gás e Transição Energética, o sergipano falou sobre como o mundo vem trabalhando no propósito de alcançar as metas de redução de emissão de gases de efeito estufa, em conformidade com o Acordo de Paris, buscando diminuir a variação de temperatura do planeta nos próximos anos. 

“O Brasil, como todos sabem, possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, por conta da enorme produção de energia hidroelétrica e da crescente participação das energias solar e eólica. O mundo estava focado primordialmente na questão da transição energética, com o estímulo à produção de energias renováveis, especialmente a solar e a eólica, porém, na retomada da economia após a pandemia e, principalmente, a partir do início da guerra da Rússia com a Ucrânia, a questão da segurança energética passou a ter tratamento prioritário”, frisou. 

O superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, também comentou da importância do Seminário, e do tema da transição energética e da necessidade de assegurar a segurança energética, situação que ganhou maior relevância com a guerra da Rússia com a Ucrânia. “Todo esse contexto reforça o papel de destaque de Sergipe como produtor de gás natural capaz de suprir demandas de toda a região Nordeste”, lembra.

Última atualização: 1 de dezembro de 2022, 12:27

Representantes da indústria apresentaram a cerveja Abiúda de Sergipe aos diretores

A manhã desta terça-feira (29), foi marcada por uma visita de cortesia de representantes da diretoria da Ambev em Sergipe aos gestores da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia (Sedetec) e da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise), para agradecer a parceria ao longo dos anos e apresentar a cerveja Abiúda de Sergipe, produto local que tem como um dos ingredientes-base a laranja produzida no estado.

O diretor de Relações Corporativas da Ambev, Tiago Pereira, reforçou a importância da parceria  com o Governo do Estado ao longo desses anos e falou sobre projetos futuros. “Sergipe é um polo produtor importante, pois é um hub que abastece um mercado muito grande, como é o da Bahia, por exemplo, além do próprio mercado local. O escoamento da produção que sai de Sergipe é fundamental para nós, por isso esse trabalho em conjunto com o Governo e o incentivo fiscal que temos aqui é tão importante”, frisou. 

O secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, agradeceu a visita e a parceria com empresa e incentivou que a Ambev continue o trabalho que já vem sendo realizado junto com a IVN. “Hoje a Ambev adquire garrafas da IVN e nossa ideia é que essa parceria entre as empresas aumente ainda mais, com contrato de maior longevidade. Quem ganha com isso é o povo de Sergipe”, disse. 

O presidente da Codise, José Matos, reforçou a importância da Ambev para Sergipe, e o papel fundamental da Companhia neste processo, principalmente na concessão dos incentivos que se transformam em tributos e geração de emprego para o Estado. 

Acompanharam também a reunião, o gerente de incentivos da Ambev, Mozart Vila Nova e o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, além de técnicos da Sedetec e da Codise.

Abiúda de Sergipe

A cerveja, que está em seu segundo lote de produção, é fabricada na indústria da Ambev em Estância, e recebe a laranja usada no produto de uma Cooperativa de Agricultores Familiares de Itabaianinha. De lá, o insumo vai para a fábrica da TropFruit, também em Estância, para produção do suco, que servirá de base para a cerveja. 

“Temos uma indústria em Sergipe que produz cervejas perto do polo produtor e isso se reflete em um produto fresco e saboroso. Com a Abiúda de Sergipe estamos fazendo uma homenagem ao povo sergipano, afinal, é um produto que foi totalmente desenvolvido aqui, que gera um ciclo virtuoso em toda sua cadeia de produção”, completou o diretor de Relações Corporativas da Ambev, Tiago Pereira.  

Última atualização: 30 de novembro de 2022, 09:28

O trabalho é desenvolvido desde 2010, em Santa Luzia do Itanhy

Com o intuito de apresentar o modelo de transformação social que está sendo realizado em Santa Luzia do Itanhy/SE, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), em parceria com Instituto de Pesquisa em Tecnologia e Inovação (IPTI), ofereceu um café da manhã para algumas indústrias instaladas em Sergipe. O encontro ocorreu na manhã desta terça-feira (22), na sala de convenção do Neo Office Jardins, em Aracaju/SE. 

O trabalho, que é desenvolvido no município sergipano pelo IPTI desde 2010, é estruturado em um conjunto de Tecnologias Sociais voltado para as áreas de educação básica e empreendedora, e saúde, com um olhar de escalabilidade, sustentabilidade e orientadas a negócios sociais. As Tecnologias Sociais de Santa Luzia já beneficiaram mais de 40 municípios, em nove estados brasileiros. 

O secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, agradeceu a presença de todos e destacou a parceria entre a organização e o Governo do Estado. “O IPTI é uma organização que nos orgulhamos muito por ser estruturada no estado, e que tem mudado a realidade de Santa Luzia do Itanhy, através da transformação social. Essa parceria tem nos rendido muitos frutos ao longo dos anos. Desejamos que a partir desse encontro com empresas sergipanas, novas parcerias sejam firmadas”, pontuou. 

Durante o café da manhã, as empresas puderam compartilhar experiências reais e vislumbrar oportunidades de parcerias junto ao IPTI. O diretor de Relações Governamentais da Unigel, Eduardo Barreto, agradeceu o convite e ressaltou os trabalhos de cunho social que são apoiados pela companhia. “A Unigel já possui a conduta de apoiar projetos com o viés social. Os projetos que foram apresentados hoje, tem tudo a ver com esse princípio de responsabilidade social da empresa”, afirmou.

O desejo da organização é que esse encontro com o empresariado sergipano ocorra anualmente e com a presença de representantes de todas as empresas que estão instaladas no estado. “A expectativa desse tipo de encontro é poder divulgar e atrair mais parceiros para as iniciativas que já são feitas pelo IPTI em Santa Luzia e, também, em outros municípios do estado. A ideia é que haja um envolvimento maior de todos os empresários na construção coletiva de uma solução, que leve desenvolvimento humano para todos os municípios”, comentou o presidente do IPTI, Rodrigo Almeida. 

Sobre o IPTI

O IPTI é uma entidade sem fins lucrativos, que começou a dar seus primeiros passos em outubro de 2003, na cidade de São Paulo. Em 2009, a organização fincou sua sede para Santa Luzia do Itanhy, sul de sergipano, um dos municípios com menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil. 

A partir disso, o IPTI visa, junto à comunidade local, gerar soluções que sejam eficazes em contextos de extrema vulnerabilidade e que tenham potencial de escala. Ou seja, tudo acontece fundamentado em Santa Luzia. Depois de criadas, geradas e sistematizadas, as tecnologias sociais desenvolvidas naquela região estão prontas para re-aplicação em qualquer parte do planeta.

Última atualização: 22 de novembro de 2022, 12:04

Recursos foram aplicados em 14 editais ao longo do ano. Mais dois ainda serão lançados

Os investimentos em ciência, tecnologia e inovação buscam fortalecer o setor produtivo e promover o desenvolvimento econômico comprometido com as demandas sociais. É nesta direção que o Governo do Estado, por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica de Sergipe (Fapitec/SE) e em parceria com o Governo Federal, investiu neste ano R$ 11.091.460,00 para produção científica, gerando conhecimento e melhorias para Sergipe.


Com recursos do Fundo Estadual para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNTEC), a Fapitec/SE, vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), fomenta importantes práticas, estimulando a ciência, a tecnologia e inovação, como impulsionadores do desenvolvimento socioeconômico.


Ao longo de 2022, foram concretizadas ações com impacto direto na sociedade a partir da publicação de 12 editais em várias frentes de atuação, focados em áreas estratégicas para o desenvolvimento do estado. Com comprometimento e planejamento, essa marca histórica de editais e volume de recursos aplicados em ciência, tecnologia e inovação, foi garantida com recursos do tesouro estadual.


Além dos 12 editais publicados, há mais dois a serem lançados. Para esse processo, parcerias foram feitas pela Fapitec/SE com diversos órgãos do Estado, a exemplo da Sedetec e da Codise, do ITPS, e das Secretarias de Educação, Inclusão Social, Segurança Pública, Desenvolvimento Urbano, Agricultura e Saúde, para aportar bolsas de pesquisa e auxílio pesquisa para o desenvolvimento de políticas públicas nessas instituições.

“Traçamos, lá em 2021, uma meta arrojada de 14 editais a serem lançados no exercício de 2022. São editais focados em áreas estratégicas para o desenvolvimento do estado e graças ao comprometimento do secretário José Augusto, que abraçou o nosso planejamento, iremos concretizar essa marca histórica de editais e volume de recursos aplicados em ciência, tecnologia e inovação com recurso do tesouro estadual. Já publicamos 12 editais e temos mais 2 a serem lançados onde estávamos aguardando somente o término do período eleitoral. Vale destacar as parcerias feitas pela Fapitec/SE com diversos órgãos do estado, a exemplo da Sedetec, da Codise, do ITPS, da Seduc, da Sermah, da SSP, da SEIAS, da Seagri e da Secretaria de Saúde, onde pudemos aportar bolsas de pesquisa e auxílio pesquisa para o desenvolvimento de políticas públicas nessas instituições”, lembra o diretor-presidente da Fapitec/SE, Ronaldo Guimarães.


Para o secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, o resultado destes investimentos estarão, em breve, sendo vistos. “Investir em ciência e pesquisa é fundamental e procuramos ano a ano reforçar esse investimento não só junto à FAPITEC/SE, mas também junto a outros órgãos vinculados à Sedetec”, observa.

Ações
Através do Programa de Inovação Tecnológica (PROINT), o volume total de investimentos foi na ordem de R$ 2.503.800,00 para o lançamento de seis editais, dos quais, quatro já foram publicados e dois estão programados para publicação ainda em novembro. Somente com recursos do FUNTEC, no valor de R$ 985.800,00, foram realizadas ações voltadas para as áreas de iniciação tecnológica, bolsas de desenvolvimento tecnológico industrial, formulação de políticas públicas e estímulo ao empreendedorismo.

Também neste ano, o PROINT contou com investimentos através de acordo/termo de cooperação técnica com Secretarias de Estado na ordem de R$ 1.518.000,00. Os editais pautam a formação técnico-científica na graduação, com ofertas de bolsas, contratação de projetos e suporte financeiro para as ações contempladas. Na prática, tais ações oportunizam o incentivo à produção científica, tecnológica e de inovação, para fortalecimento da cadeia produtiva local como o empreendedorismo e às demais políticas sociais.

O Edital Nº 09/2022 – Tecnologias Sociais – contempla o suporte financeiro para execução de projetos que se constituam em instrumentos de auxílio à geração de renda em comunidades sergipanas, contribuindo para a redução da pobreza e melhoria da qualidade de vida. Através do edital Nº 07/2022 – Bolsas de Desenvolvimento Tecnológico Industrial – a Fapitec, juntamente com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedurbs), buscar atrair recursos humanos qualificados e com experiência profissional em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) para a execução técnica e científica de ações de gerenciamento de recursos hídricos, dentre as quais, o aprimoramento do Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos e o cumprimento de metas assumidas no Programa de Consolidação do Pacto Nacional pela Gestão das Águas (PROGESTÃO).

Captação de recursos
Além de recursos estaduais, a Fapitec/SE conta com investimentos federais, como o Acordo de Cooperação Técnica – ACT Nº 09/2022, firmado entre Fapitec/SE e a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE). A iniciativa prevê a operacionalização de recursos para a contratação de até 11 empresas excedentes no Programa Nacional de Apoio à Geração de Empreendimentos Inovadores – Centelha II. Embora não haja a captação direta pela Fapitec/SE, os recursos serão aplicados em Sergipe por meio de programa gerido pela fundação. O instrumento jurídico prevê um montante de R$ 586.674,00.
Outro Acordo de Cooperação Técnica foi firmado entre Fapitec/SE e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), prevendo a aplicação de recursos no fomento de bolsas em empresas aprovadas no âmbito do Programa Centelha II, no montante de R$ 598.000,00.

Programa de Apoio e Fomento à Ciência e Tecnologia (PROAF)
No Programa de Apoio e Fomento à Ciência e Tecnologia (PROAF), a fundação lançou quatro editais que, juntos, somam investimentos no valor R$ 4.909.600,00.

Em parceria com o Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado (ITPS), a fundação lançou o edital Nº 08/2022 – BOLSAS DTR, com oferta de auxílio de pesquisa e bolsas, com recursos no valor de R$ 373.600,00. O edital tem como objetivo estimular a atração e a fixação de recursos humanos qualificados e com experiência profissional em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) para a execução de projetos em instituições públicas de pesquisa.

Já o edital N° 06/2022, são oferecidas 100 bolsas, 80 delas no Programa de Bolsas de Iniciação Científica (PBIC) e 20 no Programa de Bolsas de Iniciação Tecnológica e Inovação (PBITI), cujo valor perfaz o montante de R$ 384.000,00. O objetivo do projeto é despertar a vocação científica e incentivar talentos potenciais entre estudantes de graduação, mediante sua participação em projetos de pesquisa ou de inovação tecnológica, proporcionando ao bolsista a aprendizagem de técnicas e métodos científicos e tecnológicos, a fim de prepará-los para a pós-graduação e empreendedorismo.

O edital N° 10/2022, em parceria com o CNPQ, no valor de R$ 600.000,00, tem o objetivo de apoiar projetos de pesquisa que visem contribuir significativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico e a inovação do Estado de Sergipe, induzindo a inclusão de jovens doutores em equipes de pesquisa por meio da concessão de bolsas e auxílio à pesquisa.

Ainda no âmbito do PROAF, no dia 03 de novembro, foi lançado o Edital nº 12/2022 para Mestrado e Doutorado com Produto Tecnológico, no valor total de R$ 3.552.000,00. Os recursos são do FUNTEC e neste Programa estão sendo disponibilizadas, ao todo, 60 bolsas, sendo 40 bolsas de mestrado e 20 de doutorado. O referido Edital tem por objetivo a concessão de bolsa de mestrado e doutorado para discentes que estejam realizando pesquisas com potencial de se tornarem um produto tecnológico.

Programa de Comunicação e Inovação Tecnológica (PROCIT)
No campo da divulgação científica e da pesquisa na escola, a parceria entre órgãos do Governo possibilitou investimentos no valor total de R$ 3.678.060,00 através do Programa de Comunicação e Inovação Tecnológica (PROCIT) da Fapitec/SE, com o lançamento de cinco editais.

Foram lançados o Edital N° 01/2022 de Apoio à Divulgação da Ciência – Comunicação Científica, com recursos aportados na ordem de R$ 220.200,00; o Edital N° 02/2022 de Apoio a Projetos de Desenvolvimento do Ensino na Escola, no valor de R$ 1.220.000,00; o Edital Nº 03/2022, de Apoio a Olimpíadas de Ciências no valor de R$ 480.000,00; o Edital Nº 04/2022, Feiras de Ciências Escolares e Feira Científica Estadual, no valor de R$ 1.678.200,00; e o Edital nº 11/2022 Prêmio João Ribeiro de Divulgação Científica e Inovação Tecnológica, no valor de R$ 79.660,00.

Esses editais têm a finalidade de apoiar o desenvolvimento de projetos científicos, tecnológicos e de inovação na rede pública de ensino, estimular a pesquisa e a produção científica, além de incentivar a participação de estudantes em feiras científicas e olimpíadas de ciências, despertar o interesse por carreiras na área da ciência, impulsionar o desenvolvimento de soluções inovadoras, como também reconhecer e dar visibilidade através de premiação à profissionais que contribuíram significativamente para o desenvolvimento da pesquisa científica, tecnológica e inovadora e a divulgação da ciência no Estado.

Relacionado aos editais de desenvolvimento de pesquisa na escola, o superintendente executivo de Educação da Seduc, professor José Ricardo de Santana destaca que “os projetos financiados abrangem todas as áreas científicas. São pesquisas construídas e executadas na perspectiva bibliográfica, documental, além das atividades de campo, laboratório e também quantitativa e qualitativa”, explica.

Já no âmbito da divulgação da ciência, o edital do Prêmio João Ribeiro está aberto para submissão de propostas até 23 de dezembro deste ano, com premiação em dinheiro e placa de reconhecimento aos primeiros colocados nas categorias Pesquisador(a) Destaque, Pesquisador(a) Inovador(a), Jovem Cientista, Profissional de Comunicação e Empresa Inovadora. Os interessados devem acessar “Editais Abertos” no site da Fapitec/SE para obter mais informações.

Trabalho não para
No mês de novembro, a fundação, através do Programa de Inovação Tecnológica (PROINT), também lança um edital para a atração de recursos humanos qualificados e com experiência profissional em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação – PD&I, para a execução técnica e científica de ações em linha temática de interesse prioritário da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (CODISE). Serão ofertadas até sete bolsas na modalidade de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (DTI).

Outro ponto de destaque é a retomada do Programa de Apoio e Desenvolvimento de Políticas Públicas para o Estado de Sergipe, executado em parcerias com secretarias de estado, por meio dos seus respectivos Núcleos de Análises e Pesquisas em Políticas Públicas (NAPs). O programa tem como objetivo principal promover uma integralização entre Instituições de Ensino e Pesquisa (IEP) e organismos de governo, a fim de aprimorar as análises, formulações e implementações de ações e programas do poder público, que venham a atender às demandas sociais e institucionais.

Além disso, deve-se suscitar a iminente chamada para o Programa TECNOVA III, de fundamental importância para o estímulo da cultura empreendedora inovadora no estado, o qual se estima um aporte de recursos federais na ordem de R$ 8 milhões, provenientes da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

Também neste mês de novembro, a fundação, em parceria com a Seduc, realiza a contratação dos projetos aprovados como prioridade dois (propostas recomendadas e não financiadas), no Edital 09/2021 – Programa de Apoio à Núcleos de Estudos Avançados em Políticas Educacionais no Estado de Sergipe. O referido Edital teve por objeto apoiar a execução de projetos de grupos emergentes de pesquisa, que atuam em ações para o desenvolvimento de políticas educacionais de gestão das unidades e sistemas de ensino da educação básica (educação infantil, ensino fundamental e médio), que compreendam a organização das instituições, formação de professores, organização curricular (práticas de ensino/aprendizagem) e atividades de apoio pedagógico e administrativo. Tal edital visa conceder suporte financeiro aos trabalhos dos referidos grupos, induzindo a formação de novos núcleos de excelência na área de educação, vinculados a instituições de ensino superior e pesquisa, públicas ou privadas, sediadas no Estado de Sergipe.

Última atualização: 21 de novembro de 2022, 12:05

O Sergipe Águas Profundas terá a capacidade de disponibilizar ao mercado até 18 milhões m³/dia

Sergipe foi destaque na área de Petróleo e Gás em mais uma publicação nacional. Desta vez,  de acordo com matéria publicada no site Brasil Energia, a Petrobras irá tratar nas próprias Unidades Flutuantes de Armazenamento e Transferência (FPSOs) todo o gás produzido no Projeto Sergipe Águas Profundas (SEAP), em Sergipe. A iniciativa é algo inédito no Brasil, inaugurando os tratamentos de gás natural integral, dispensando o investimento em Unidades de Processamento de Gás Natural (UPGNs). 

Com esse conceito inovador no projeto, o Sergipe Águas Profundas conseguirá produzir, processar e especificar o gás nas unidades de processamento direto para a venda. Com esse formato, a petroleira reduzirá a complexidade de execução do projeto, facilitando a logística durante a operação e atraindo a atenção, já que tal fato está sendo visto como um marco no país. 

A matéria informa ainda que no projeto de Sergipe, a Petrobras adotará a metodologia de refrigeração mecânica. O mecanismo utilizará um fluido refrigerante para resfriar o gás e assim tirar as frações mais pesadas. Já as partes mais leves serão exportadas para uma estação de recebimento, que será instalada em Sergipe, funcionando como um ponto de distribuição. 

Ainda de acordo com o Brasil Energia, o Sergipe Águas Profundas terá a capacidade de disponibilizar ao mercado até 18 milhões m³/dia de gás quando o módulo de produção do sistema estiver em operação. Para isso, a Petrobras precisará fornecer um gás sem as frações mais pesadas, o mais seco possível e sem contaminantes, o que trará um resultado mais econômico ao projeto, segundo o diretor de Desenvolvimento da Produção da Petrobras, João Henrique Rittershaussen. 

O superintendente Executivo da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, Marcelo Menezes, destaca a importância da iniciativa para o projeto SEAP. “O gás a ser produzido no Sergipe Águas Profundas tem baixo teor de CO2 e pequena incidência de contaminantes, simplificando e barateando o seu processamento. Considerando esse fator e a menor distância de escoamento dos poços até o litoral, o gás a ser produzido em Sergipe poderá ter um custo mais competitivo, contribuindo para a atração de investimentos para o seu consumo no próprio Estado”, explica.

Sergipe Águas Profundas 

O projeto de Sergipe terá dois módulos, cada um com um FPSO. A primeira unidade tem capacidade de produzir 120 mil barris de petróleo por dia e 10 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. Já a segunda unidade será um pouco maior, com capacidade 120 mil barris de petróleo/dia e 12 milhões de metros cúbicos de gás/dia. Além disso, o SEAP contará com um gasoduto de escoamento com 128 km de extensão, sendo 100 km no mar e 28 km em terra. 

O planejamento para o início da produção do SEAP era, originalmente, para 2026, contudo, após o cancelamento da primeira licitação, a previsão é de que tenha início apenas em 2027. Entre os desafios do Projeto, o diretor da Petrobras destacou  o volume expressivo de exportação de gás para ser produzido em uma área de nova fronteira, sem a logística e a infraestrutura disponíveis das bacias de Santos e de Campos.  

“Vamos trabalhar em uma área isolada do ponto de vista da Petrobras. Em Búzios, por exemplo, já temos toda uma infraestrutura funcionando, mas Sergipe é uma nova fronteira”, pondera João Henrique Rittershaussen, executivo da petroleira brasileira

Última atualização: 14 de novembro de 2022, 11:04

Com a finalidade de conhecer os investimentos no setor mineral no interior do Estado de Sergipe, a equipe técnica da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) e o presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise), José Matos, receberam a visita do diretor-presidente da Nexon Mineração, Marcelo Martins, do geólogo da empresa, Ricardo Gallart e do gerente regional da Agência Nacional de Mineração, George Eustáquio.

A reunião ocorreu na sede da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia (Sedetec), sob condução do secretário José Augusto Carvalho. Acompanhado dos técnicos da pasta, o secretário pôde recepcionar os convidados e avaliar os projetos que estão em desenvolvimento nos municípios de Brejo Grande, Nossa Senhora de Lourdes e Gararu. 

O secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, afirmou as boas expectativas após o encontro. “Procuramos sempre reunir o corpo técnico da Sedetec para apresentar a equipe do Governo aos empresários e mostrar que Sergipe recebe, com muito acolhimento, as empresas que se interessam pelo nosso Estado. A Nexon vislumbra um potencial muito grande em nosso estado e, hoje, puderam nos mostrar alguns desses projetos através de estudos realizados pela empresa”, disse.

A expectativa da empresa é que em 2024, o projeto de Brejo Grande, que tem como principais minérios titânio e zircônio, se inicie. “O trabalho preliminar já foi elaborado, mostrando uma pré-viabilidade econômica. As demais áreas que vão bloquear outras reservas para o projeto ainda vão ser concluídas para a gente avaliar e aprovar os projetos”, pontuou o diretor-presidente da Nexon, Marcelo Martins.

O superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, destacou a importância da visita e de projetos nesta vertente para o Estado. “Todo projeto, do modo que ele nos apresentou, é muito interessante e o Estado tem total interesse em participar. Podemos estabelecer pontes para dar mais celeridade ao processo que já está em desenvolvimento e auxiliar no que necessário”, pontuou. 

O gerente regional da Agência Nacional Mineração, George Eustáquio, destacou a longa parceria entre o órgão e a Sedetec. “A empresa nos mostrou as perspectivas futuras de uma ocorrência mineral e do andamento de uma pesquisa em Sergipe. Achei interessante trazer a novidade para a Sedetec e todas as linhas que trazem desenvolvimento para o estado. Temos muito interesse em compartilhar e dar oportunidade para as empresas”, ressaltou.

Nexon Mineração

Com base administrativa em São Paulo e Belo Horizonte, a empresa foi fundada em 2019 como plataforma de investimento no setor de mineração, diversificando o portfólio no setor em que o grupo controlador atua. A Nexon desenvolve seus projetos visando a produção com foco em minerais estratégicos, tais como: cobre, ouro, titânio, zircônio, níquel, cobalto, terras raras, potássio e fósforo. 

“Nós não somos uma empresa que desenvolve o projeto e vende para uma outra depois. A gente desenvolve, colocamos em produção e vamos operar por 20, 30 anos, durante toda a vida útil do projeto. Vai gerar muito emprego e muita renda para o estado”, concluiu o diretor-presidente da Nexon, Marcelo Martins. 

Última atualização: 14 de novembro de 2022, 11:05

Através do PSDI 56 empresas receberam aval do Governo para investir no Estado entre 2019 e 2022

Gustavo Lisboa estava ansioso para entrar no mercado de trabalho, e este ano conquistou a tão almejada assinatura na sua carteira de trabalho, como separador de mercadorias na Super Carnes, indústria sergipana do ramo alimentício, localizada no Distrito Industrial de Nossa Senhora do Socorro, e que conta com incentivos do Governo do Estado para seu funcionamento. Gustavo é apenas um entre os 3.165 sergipanos que entraram no mercado graças aos empregos gerados com o apoio do Governo do Estado. 

“Entreguei meu currículo, fui chamado para fazer o treinamento na logística e me destaquei. Eles me qualificaram e passei a atuar separando as mercadorias e fazendo o carregamento. Só tenho a agradecer a empresa pelo ótimo ensinamento que me foi dado, principalmente na parte da logística, de separação, de produção e sobre as precauções também, venho aprendendo cada dia mais”, comemora o funcionário que há cinco meses atua na empresa.

Por meio do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), gerenciado pela Companhia do Desenvolvimento Econômico de Sergipe (Codise), o Governo do Estado autorizou benefícios fiscais ou locacionais a 56 empresas ao longo dos últimos quatro anos. Apenas nestas empresas, 3.165 empregos puderam ser gerados, representando um investimento de R$ 1.140.512.068,00 em incentivos industriais, fomentando a economia e promovendo o desenvolvimento de diversas regiões de Sergipe. 

“Apesar de termos enfrentado uma pandemia, que atingiu em cheio a indústria e retraiu a economia em todo o país, conseguimos analisar muitos processos de concessão de benefícios e autorizar incentivos fiscais e locacionais a muitas empresas”, informa o presidente da Codise, José Matos. 

Todos os processos de concessão de benefícios industriais oferecidos pelo Governo do Estado passam pelo Conselho de Desenvolvimento Industrial (CDI), um grupo de gestores de diversas entidades da iniciativa pública e privada que analisam as propostas e deliberam sobre o melhor para a economia em Sergipe. 

“Mensalmente recebemos dezenas de pedidos de concessão de incentivos no CDI e analisamos junto com os demais membros, que são de diversas esferas do Governo e alguns órgãos da iniciativa privada, como Federação das Indústrias, por exemplo. Assim, temos a oportunidade de avaliar onde melhor serão aplicados esses incentivos, sempre com foco na geração de emprego, renda e desenvolvimento para o povo sergipano”, completa o secretário do Desenvolvimento Econômico, José Augusto Carvalho.

Além das novas empresas que solicitaram benefícios ao Governo, algumas já instaladas, requisitaram renovação dos benefícios ou ampliaram seu parque industrial e linhas de produção, gerando mais empregos em unidades já existentes. “Este é o caso das Indústrias Maratá, que além de aumentar suas linhas de produção está prestes a abrir um moinho de trigo, em São Cristóvão e uma misturadora de fertilizantes em Maruim”, informa o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes.

Última atualização: 31 de outubro de 2022, 10:33

Publicação informa que a Petrobras está nos trâmites finais para licitação de FPSO’s

Matéria divulgada no início do mês, pelo site norueguês Upstream Online, informa que a Petrobras está em processo de finalização para o lançamento da licitação para duas unidades flutuantes de produção, armazenamento e transferência (FPSO’s) para o projeto Sergipe Águas Profundas (SEAP), localizado na bacia Sergipe-Alagoas. A previsão da petrolífera para o lançamento da concorrência é para o início de novembro.

As especificações da licitação para a capacidade de processamento da primeira unidade é de 120 mil barris de petróleo por dia e 10 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. Já a segunda unidade será um pouco maior, com capacidade 120 mil barris de petróleo/dia e 12 milhões de metros cúbicos de gás/dia. Além disso, o SEAP contará com um gasoduto de escoamento com 128 km de extensão, sendo 100 km no mar e 28 km em terra;

Espera-se que algumas empresas sejam convidadas a participarem da licitação, como a empresa japonesa Modec, a holandesa SBM Offshore, a norueguesa BW Offshore; os grupos malásios MISC e Yinson Holdings; a canadense Altera Infrastructure e a brasileira Ocyan.

O planejamento para o início da produção do SEAP era, originalmente, para 2026, contudo, após o cancelamento da primeira licitação, a previsão é de que tenha início apenas em 2027. O superintendente executivo da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), Marcelo Menezes, comentou sobre a expectativa do Governo do Estado para o início da produção.

“A ida ao mercado para encomenda dos FPSO’s é uma etapa fundamental do processo de tomada de decisão de investimento da Petrobras do projeto Sergipe Águas Profundas. A partir dessa definição, deve ser dada a partida das diversas contratações de equipamentos, materiais e obras para implantação do SEAP, passando a ter um cronograma de implantação e uma previsão mais precisa do início da operação”, informa Marcelo Menezes.

Segundo fontes relataram para o Upstream, a empresa petroleira brasileira pretende instalar os FPSO’s em 2.500 metros de água e com uma vida útil de 30 anos, porém os contratos de afretamento oferecidos são de 20 a 25 anos. Além disso, conforme descrição técnica, a Petrobras aceitará navios com capacidade mínima de armazenamento de 1,4 milhões de barris por dia.

Matéria produzida em outubro de 2022

Última atualização: 31 de outubro de 2022, 10:32